Segunda-feira, 30 de Novembro de 2015

O Natal é para todos

 

article-2528947-1A47B66400000578-389_964x625.jpg

A tradicional árvore de Natal no centro de Belém, Palestina, com a Basílica da Natividade e a Igreja de Santa Catarina em plano de fundo. 

 

Com as sociedades ocidentais a viverem sob modelos sociais, culturais e religiosos cada vez mais assépticos, têm surgido algumas notícias que dão conta da proibição de actos natalícios em escolas ou locais públicos, supostamente em nome da integração de todos. Ora, o que muitos esquecem é que integrar pressupõe precisamente o contrário, ou seja, o respeito pelas tradições existentes, sejam elas quais forem e em que circunstâncias for. Aliás, relembro que em Belém (não em Lisboa, mas na Cisjordânia), cidade onde vive a maior comunidade católica da Palestina, o Natal é comemorado efusivamente, com a tradicional árvore de Natal e as ruas devidamente engalanadas. Tudo isto acontece no meio de uma região predominantemente muçulmana e, como se não bastasse, com vizinhos judaicos. E não é por isso que o Natal em Belém deixou de ser comemorado. Pelo contrário, foi algo que as próprias autoridades daquela cidade sempre encorajaram, até porque se tornou uma importante fonte de receita para os comerciantes. Para a história, ficam as célebres imagens de todos os anos do antigo líder palestiniano, Yasser Arafat, a assistir à Missa do Galo na noite de 24 de Dezembro na Igreja de Santa Catarina. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:32
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 11 de Novembro de 2014

Dez anos depois da sua morte, Arafat continua a inspirar a causa palestiniana

 

 

Faz hoje 10 anos que o histórico líder palestiniano, Yasser Arafat, morreu na cama de um hospital em Paris. O vídeo em cima recupera um dos seus momentos mais importantes, quando se apresentou na Assembleia Geral das Nações Unidas com um "ramo de oliveira numa mão e arma do freedom fighter na outra".

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:14
link do post | comentar
partilhar
Sábado, 9 de Novembro de 2013

Al Jazeera revela tudo sobre a morte de Yasser Arafat

 

 

A cadeira de televisão Al Jazeera revela tudo sobre a morte de Yasser Arafat, incluindo um relatório forense suíço feito com base na análise aos restos mortais do antigo líder palestiniano. O documentário exclusivo deverá ser emitido nos próximos dias.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 19:16
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 16 de Outubro de 2012

O sonho perdido de Arafat*

 

Vista aérea da cidade de Gaza com o Mar Mediterrâneo ao fundo 

 

Ainda Yasser Arafat era vivo quando o autor destas linhas ouviu alguém dizer que o sonho do líder palestiniano era fazer da Faixa de Gaza uma espécie de Miami da Palestina. Um devaneio total do antigo líder palestiniano, dirão os leitores. Porém, talvez nem tanto.

 

Certo dia ao final da tarde, de copo na mão, num terraço estilo árabe virado para o Mediterrâneo, num dos poucos hotéis da marginal da cidade de Gaza, este vosso escriba pensava que ali estava mais um exemplo de um pedaço de terra que tinha condições para florescer e, no entanto, a História ditara outro curso.

 

Em circunstâncias normais a Faixa de Gaza teria requisitos para se tornar numa estância turística de referência, soalheira, banhada pelo azul do Mediterrâneo e com areal. Ou seja, poderia ser uma colónia de férias dos palestinianos (e por que não também dos jordanos?), enquanto a Cisjordânia seria sempre o território para viver e trabalhar, já que é lá que estão as principais cidades, universidades, serviços e Governo. A Faixa de Gaza seria assim como o Algarve é para milhares de portugueses, que se concentram nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

 

Mas a verdade é que as circunstâncias são cada vez menos normais naquele enclave, que mede 41 quilómetros de extensão e nunca mais de 12 quilómetros de largura, e no qual estão literalmente enclausurados cerca de 1,6 milhões de palestinianos, tornando-o num dos territórios com maior densidade populacional do mundo.

 

Com uma população a crescer (e a economia também) o exíguo território está a ficar cada vez mais exíguo e ao mesmo tempo desorganizado e caótico.

 

O preço do terreno tem disparado, sobretudo na cidade de Gaza, entre 40 a 50 por cento anualmente nos últimos anos. Actualmente, o metro quadro na cidade de Gaza pode atingir os 20 mil dólares. Um valor que não fica atrás daquele que é praticado em bairros de luxo em Londres, Nova Iorque ou Paris.

 

Obviamente que este mercado não é acessível para a maioria dos palestinianos da Faixa de Gaza, no entanto, existem muitos homens ricos que conseguem fazer entrar dinheiro vindo do Egipto através dos famosos túneis clandestinos. Convém relembrar que Israel tem imposto há vários anos um bloqueio feroz à Faixa de Gaza, dificultando a mobilidade de pessoas, bens e serviços.

 

Mas com a economia, em geral, e o sector da construção, em particular, dinamizados com os “esquemas” transfronteiriços entre Gaza e o Egipto vai-se construindo um pouco por todo o lado, sem qualquer planeamento e quase sempre sem qualidade, já que os materiais são escassos.

 

Numa reportagem desta semana, a BBC News dizia que os poucos espaços verdes naquele enclave vão ficando cada vez mais cinzentos, com o mercado do imobiliário a tornar-se bastante atractivo perante o aumento de população.

 

Embora a construção desenfreada e desordenada na Faixa de Gaza tenha contribuído para dissipar o sonho de Arafat, a verdade é que há muito que esse mesmo sonho já tinha sido destruído pela guerra e pelo bloqueio. O Sul da Faixa de Gaza está particularmente martirizado, quando comparado com a cidade de Gaza, com muitas poucas casas incólumes às balas e bombas israelitas e com uma pobreza acentuada. 

 

A Faixa de Gaza dos dias de hoje está cada vez mais longe do sonho de Yasser Arafat, mas, apesar de tudo, não deixa de ser um local onde a terra se torna um bem cada vez mais precioso. 

 

*Este é o primeiro de três textos sobre a Faixa de Gaza


Publicado por Alexandre Guerra às 00:20
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 22 de Maio de 2009

Percepções de quem não acredita na criação de um Estado nos próximos cinco anos

 

 

Mahmud Hams/Agence France-Presse/Getty Images

 

Khalil Shikaki, director do Palestinian Center for Policy and Survey Research, escreveu, em artigo de opinião no New York Times, que o apoio popular na Palestina a ataques armados contra judeus civis em território  israelita tem vindo a aumentar consideravelmente. De tal forma, que os índices de hoje são mais elevados do que em 2005, o que não deixa de ser algo surpreendente, tendo em conta que naquele ano ainda estava a decorrer a intifada de al-Aqsa. 

 

O Diplomata desconhecia estes dados mais recentes, mas tendo em conta o prestígio de Shikaki, talvez o especialista mais credível palestiniano em termos de estudos de opinião e de sondagens, não existem razões para duvidar da informação que agora divulga.

 

Perante aquilo que Shikaki escreveu nas páginas do NYT, o Diplomata foi à descoberta do estudo para tentar compreender as razões que sustentam a opinião dos palestinianos. Uma das explicações poderá estar no facto do inquérito ter sido realizado entre 5 e 7 de Março na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, poucas semanas após o fim dos ataques israelitas naquele enclave.

 

É bastante provável que o conflito de 22 dias na Faixa de Gaza tenha alimentado o sentimento anti-israelita para níveis muito altos. Mas, o estudo de opinião apresenta outras conclusões igualmente bastante preocupantes quanto à percepção da opinião pública palestiniana.

 

O Hamas e o seu líder em Gaza, Ismail Haniyeh, parecem estar a fortalecer a sua popularidade junto dos palestinianos, ao mesmo tempo que a Fatah e o Presidente Mahmoud Abbas estão a perder influência. Também o moderado primeiro-ministro Salam Fayyad, que o Diplomata conheceu e entrevistou há uns anos em Gaza, vê a sua legitimidade a decrescer.

 

Apesar desta tendência na opinião pública, a Fatah continua a verificar valores de popularidade mais elevados que o Hamas, sobretudo devido à forte implantação da primeira na Cisjordânia. Porém, se fossem realizadas neste momento eleições presidenciais, Haniyeh ganharia com 47 por cento dos votos contra os 45 por cento de Mahmoud Abbas.  

 

Curiosamente, Haniyeh, embora sendo do Hamas, é mais popular na Cisjordânia do que Abbas. Este, por sua vez, receberia mais votos na Faixa de Gaza do que o primeiro. Aqui, a explicação poder-se-á encontrar na predisposição mais primária dos eleitores em criticarem os seus líderes mais directos: Abbas na Cisjordânia e Haniyeh na Faixa de Gaza.

 

Sobre o processo de paz as conclusões são igualmente pessimistas. 73 por cento dos palestinianos têm poucas expectativas sobre a possibilidade de nos próximos cinco anos ser criado  um Estado palestiniano independente.

 

Quando se associa a política israelita ao processo de paz, 70 por cento dos palestinianos não vislumbra diferenças entre os partidos da direita, do centro ou da esquerda.

 

O Diplomata vai voltar a este estudo para falar sobre uma outra personagem palestiniana, sem dúvida a mais popular desde que Yasser Arafat morreu, e que entretanto está cumprir pena perpétua numa cadeia israelita: Marwan Barghouti

  

Publicado por Alexandre Guerra às 09:08
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos