Quinta-feira, 6 de Outubro de 2016

A primeiríssima coisa que Guterres deve fazer

 

Um dos primeiro trabalhos hercúleos de António Guterres, nas suas novas funções de Secretário-Geral das Nações Unidas, não será nenhum daqueles que a imprensa internacional tem avançado. A sua prioridade imediata deverá centrar-se na missão dos capecetes azuis que está destacada no Sudão do Sul. Cinco anos depois da sua independência, celebrada, diga-se, com grande apoio e entusiasmo dos líderes ocidentais, que, nestas coisas, costumam meter o realismo político de lado ao deixarem-se invadir por um idealismo tolo e irresponsável, o Sudão do Sul é hoje mais um Estado à deriva, com um tecido social retalhado e uma economia de rastos. O país está a saque e refém das vontades e caprichos do suposto "pai" da independência, Salva Kiir, um autêntico "cowboy", que, na boa e velha tradição das lideranças africanas, rapidamente revelou as suas tentações interesseiras e despóticas. Em Julho, a violência na capital Juba tornou-se demasiado evidente e a situação bastante ruidosa, obrigando os EUA, através da sua Conselheira de Segurança Nacional, Susan Rice, a pronunciarem-se com aquelas declarações já habituais, que têm tanto de inócuo como de incompetentes:“Esta violência sem sentido e indesculpável – levada a cabo por quem, mais uma vez, coloca os interesses pessoais acima do bem-estar do seu país e do seu povo – coloca em risco tudo aquilo a que o povo sul-sudanês aspirou nos últimos cinco anos”, disse Rice em comunicado.

 

Agora, veio a confirmação daquilo que já há muito era falado, de que a UNMISS, composta por 12500 homens, não está a envidar todos os esforços na prossecução do seu mandato. De acordo com um relatório do Center for Civilians Conflict (Civic), baseado em Washington, vários capacetes azuis, nomeadamente chineses e etíopes, recusaram-se a sair do Quartel-General da ONU em Juba, nos acontecimentos de Julho último, para irem proteger os civis que estavam a ser alvo de ataques de soldados governamentais num outro local da cidade. Foi ordenada à Quick Reaction Force (QRF) da UNMISS que interviesse para proteger os civis, mas não o fez. Entretanto, segundo relatos, houve outros capacetes azuis que se retiraram do local do conflito, quando tinham ordens contrárias para fazer o "engage" nos confrontos que opunham soldados governamentais leais ao Presidente Salva Kiir e forças rebeldes lideradas por Riek Machar. Informa agora este relatório que os soldados chineses chegaram mesmo a deixar para trás as suas armas e material à medida que fugiam para o Quartel-General, local para onde se dirigiram também centenas de civis, que tentaram passar pelo arame farpado em busca de auxílio.

 

Estes acontecimentos, que têm algum histórico no âmbito das missões de "peace keeping", têm ensombrado as Nações Unidas, a sua reputação no terreno, tendo o massacre de Srebrenica, ocorrido em Julho de 1995, e onde morreram quase 8 mil bósnios muçulmanos (bosniaks) às mãos do comandante sérvio Ratko Mladic, sido o exemplo mais dramático dessa debilidade. Relembre-se que Srebrenica seria supostamente uma “safe area” sob a guarda da ONU, mais concretamente dos “capacetes azuis” holandeses. A limitação das “rules of engagement” e a incapacidade da cadeia de comando sob o “badge” da UNPROFOR de alterar um mandato totalmente desajustado à evolução dos acontecimentos no terreno permitiu, de certa forma, que aqueles acontecimentos horrendos tivessem lugar e, por isso, o tribunal não veio responsabilizar os soldados holandeses pela totalidades das mortes. O que se passou agora no Sudão teve consequências menos dramáticas, mas não deixa de assumir contornos muito graves, porque a cadeia de comando da UNMISS não funcionou, desrespeitando o seu mandato e, acima de tudo, colocando em perigo a vida de civis.

 

Além dos temas "quentes" que têm estado no topo da agenda mediática, muitos deles a serem tratados num nível político-diplomático, o que se passa com a missão da ONU no Sudão do Sul implica directamente questões relacionadas com a capacidade de comando e operacional das forças da ONU e, por isso, António Guterres tem a obrigação e os instrumentos para actuar de imediato naquilo que está muita mal na sua própria "casa".  

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:50
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 13 de Julho de 2016

Era bastante previsível...

 

_71813823_kiir.jpg

Salva Kiir, um autêntico "cowboy" africano 

 

Cinco anos depois da sua independência, celebrada, diga-se, com grande apoio e entusiasmo dos líderes ocidentais, que, nestas coisas, costumam meter o realismo político de lado ao deixarem-se invadir por um idealismo tolo e irresponsável, o Sudão do Sul é hoje mais um Estado à deriva, com um tecido social retalhado e uma economia de rastos. O país está a saque e refém das vontades e caprichos do suposto "pai" da independência, Salva Kiir, um autêntico "cowboy", que, na boa e velha tradição das lideranças africanas, rapidamente revelou as suas tentações interesseiras e despóticas.

 

Agora, cinco anos depois, a comunidade internacional parece ter acordado para uma realidade que já era evidente muito antes do referendo que levou à independência do Sudão do Sul: embora a sua população seja maioritariamente cristã e animista, contrastando com o cariz muçulmano do Norte, aquele território estava longe de ter as condições estruturais e os recursos políticos para se tornar num país independente. Era óbvio. 

 

Recordo que dias antes do referendo realizado a 9 de Janeiro de 2011, questionei-me se não estaria mais uma guerra civil iminente em África e cheguei a escrever neste espaço o seguinte: "Estará África na iminência de uma nova guerra civil? Os observadores internacionais no terreno, como o senador John Kerry, presidente do comité dos Negócios Estrangeiros do Senado dos Estados Unidos, acreditam que não. Estão confiantes que o referendo que se realiza no próximo Domingo no Sudão, e que irá decidir se o Sul daquele país se tornará numa nação independente, não terá consequências gravosas, estando neste momento todo o processo a decorrer sem problemas. A CNN, no entanto, e inspirada na longa tradição africana de conflitos internos, colocava as coisas de uma forma mais prática ao dizer que o resultado deste referendo ou institui o mais recente Estado da comunidade internacional ou acaba em guerra civil. Atendendo ao historial do Sudão e ao comportamento da sua cúpula político-militar nos últimos anos, o Diplomata só pode concordar com aquela observação." 

 

Pouco mais de um mês tinha passado sobre o referendo e já se verificavam confrontos fronteiriços entre o Sudão do Sul e o Sudão. E em Março voltei ao assunto para falar dessa personagem "hollywoodesca", Salva Kiir, que iria ser o futuro Presidente a partir de 9 de Julho. E todo o cenário era preocupante, porque Kiir mostrava os sinais de vir a ser um líder que iria infligir grandes danos ao seu país e povo, tendo-se aproveitando da popularidade e carisma do defunto John Garang, antigo líder sudanês, que lutou pela independência da região do Sul e que morreu em 2005 num acidente de helicóptero. Kiir fez parte do círculo próximo de Garang, tendo este sido o grande responsável e inspirador da independência do Sudão do Sul. 

 

A questão é que após a independência e perante a incapacidade de lidar com os problemas internos, Salva Kiir tentou aproveitar os conflitos fronteiriços com Cartum para criar neste o inimigo externo e desviar as atenções da sua governação. Não é por isso de estranhar que menos de um ano após a independência, o já Presidente Kiir assumia claramente o conflito com o Sudão. É certo que os problemas sempre existiram com o regime de Cartum liderado pelo também pouco recomendável, Omar al-Bashir, no entanto, foi no plano interno que a situação mais se deteriorou, como, aliás, seria expectável. 

 

Nstes últimas dias, a violência na capital Juba tornou-se demasiado evidente e a situação bastante ruidosa, obrigando os EUA, através da sua Conselheira de Segurança Nacional, Susan Rice, a pronunciarem-se com aquelas declarações já habituais, que têm tanto de inócuo como de incompetentes: “Esta violência sem sentido e indesculpável – levada a cabo por quem, mais uma vez, coloca os interesses pessoais acima do bem-estar do seu país e do seu povo – coloca em risco tudo aquilo a que o povo sul-sudanês aspirou nos últimos cinco anos”, disse Rice em comunicado.

 

A verdade é que há muito que Washington podia ter colocado alguma ordem na política do Sudão do Sul, mas não o fez, deixando o caminho aberto para que Kiir e outros fizessem do mais recente país independente o seu "playground" africano.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 14:41
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Terça-feira, 24 de Abril de 2012

Nem um ano passou e o Presidente do Sudão do Sul já diz que está em guerra

 

Soldado do Sudão do Sul junto a um mercado em Rubkona, perto de Bentiu, alegadamente destruído por uma bomba lançada ontem por aviões do Sudão/Foto:Reuters/Goran Tomasevic  

 

Nem um ano de existência tem e o mais recente Estado do mundo já está em guerra, pelo menos a julgar pelas palavras do seu Presidente, Salva Kiir. Segundo este, o Sudão do Sul, que se tornou independente em Julho do ano passado, está a ser alvo de uma "declaração de guerra" por parte do regime de Cartum. 

 

Apesar do Sudão não ter feito formalmente qualquer declaração nesse sentido, analistas citados pela BBC News consideram que é o próprio Salva Kiir a fomentar uma escalada de palavras. Seja como for, fontes oficiais militares do Sudão do Sul disseram esta Terça-feira que Cartum lançou oito bombas sobre o seu território na noite passada, o que levou Salva Kiir a classificar este acto como uma autêntica "declaração de guerra". 

 

Há várias semanas que os confrontos fronteiriços entre as tropas do Sudão do Sul e do Sudão se têm intensificado em áreas de exploração petrolífera. As acusações têm sido mútuas e neste momento não se vislumbra qualquer possibilidade de diálogo entre os dois países vizinhos.

 

Quando em Janeiro do ano passado, por altura do referendo da independência do Sul do Sudão, o Diplomata se questionava quanto à possibilidade de mais uma guerra civil em África, estava precisamente a prever um caminho sinuoso nas relações entre os dois países.

 

Na altura, o Diplomata desconfiou de imediato das palavras do Presidente sudanês, Omar al-Bashir, que disse que iria acatar o resultado do referendo, fosse ele qual fosse. O passado sangrento e violento de al-Bashir, seja em relação às populações do Sul ou da região de Darfur, perspectivavam tudo menos um desfecho pacífico e tranquilo deste processo de independência.

 

Mas, neste momento, é preciso também contar com o carácter provocatório e belicista do Presidente do Sul do Sudão, que está a dar mostras de não estar muito disponível para uma via mais diplomática.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 13:34
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 12 de Abril de 2012

Menos de um ano após a independência, o Sul do Sudão e o Sudão já se confrontam

 

 

Em Janeiro do ano passado, dias antes do referendo que viria proclamar a independência do Sudão do Sul, o Diplomata questionava-se se não estaria mais uma guerra civil iminente em África. 

 

Na altura, o autor destas linhas observava que, "atendendo ao historial do Sudão e ao comportamento da sua cúpula político-militar nos últimos anos", a secessão do Sudão do Sul levantaria as maiores preocupações. 

 

Escrevia ainda que apesar do Presidente sudanês, Omar al-Bashir ter dito que iria acatar o resultado do referendo, fosse ele qual fosse, o Diplomata demonstrou logo dúvidas quanto à solidez daquelas palavras. "O passado sangrento e violento de al-Bashir, seja em relação às populações do Sul ou da região de Darfur, perspectivam tudo menos um desfecho pacífico e tranquilo deste referendo."

 

Ora, nem sequer um ano passou desde a declaração formal da independência do Sudão do Sul, e as notícias mais recentes alimentam os piores receios manifestados pelo Diplomata.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:02
link do post | comentar
partilhar
Sábado, 9 de Julho de 2011

Juba, uma nova capital

 

 
Publicado por Alexandre Guerra às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar

Um olhar sobre o novo país africano

 

 
Publicado por Alexandre Guerra às 00:00
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 8 de Julho de 2011

A BBC News acompanha as cerimónias da proclamação do Sudão do Sul

 

 
Publicado por Alexandre Guerra às 23:54
link do post | comentar
partilhar

Sudaneses do Sul preparam-se para a festa da independência

 

 
Publicado por Alexandre Guerra às 23:51
link do post | comentar
partilhar

Este Sábado nasce um novo Estado no mundo

 

 
Publicado por Alexandre Guerra às 23:48
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos