Quarta-feira, 4 de Junho de 2014

A música que os assessores de Ronald Reagan nunca perceberam

 

  

Faz hoje 30 anos que foi lançado o álbum "Born in the USA", o primeiro grande sucesso comercial de Bruce Springsteen e que o catapultou para um outro nível de notoriedade. Estava-se em plena campanha presidencial e Ronald Reagan preparava a sua reeleição para a Casa Branca, através de um discurso em que apelava aos valores conservadores e republicanos da América. 

 

Com uma icónica capa (fotografia de Annie Leibovitz) e um espírito menos "dark" de que o anterior álbum "Nebraska", rapidamente houve quem visse naquele álbum, e sobretudo na música Born in the USA, uma espécie de ode ao "american way of life" na sua vertente mais tradicionalista.

 

Alguns círculos mais conservadores e membros do próprio staff de Reagan não hesitaram em fazer uma "colagem" dos valores defendidos pelo Presidente à mensagem transmitida pela música. Reagan chegou mesmo a materializar essa estratégia numa declaração pública proferida durante um acção de campanha, em que dava a entender que poderia haver alguma proximidade entre o que o Presidente defendia e aquilo que o "Boss" escreveu nas suas canções.

 

De certa forma, essa ideia resistiu aos tempos e muitas pessoas olham para a música "Born in the USA" como uma espécie de hino patriótico. Mas, efectivamente não é. Não só Bruce Springsteen nunca teve qualquer proximidade a Ronald Reagen, como a letra daquela música está longe de representar aquilo que muitos pensam que representa.   

 

Ainda hoje a BBC News referia-se à música "Born in the USA" com uma das letras pior interpretadas de sempre. E de facto, a música é sobre o regresso de um soldado americano aos EUA após ter estado na guerra do Vietname, e retrata as dificuldades que enfrenta na reintegração na sociedade.

 

Além de todos aqueles que nunca voltaram do Vietname, a música chama a atenção para a forma dramática como os veteranos de guerra regressaram a casa, encontrando um país que parecia não ter lugar para eles. A maioria eram pessoas da classe operária que tinham abandonado os seus trabalhos para integrarem as forças armadas e irem combater numa guerra em nome da sua pátria. No regresso aos EUA apenas encontram desemprego e desespero.

 

Há quem veja esta música como um lamento profundo da crise da classe operária dos EUA, que desde a década de 70 começou a sofrer as consequências da desindustrialização da América, nomeadamente no sector automóvel.

 

O problema de alguns conservadores e dos assessores de Reagan que retiraram leituras desta música é que se agarraram apenas ao refrão do Born in the USA.

 

Walter Mondale, o candidato rival presidencial, ainda tentou aproveitar-se da situação ao atacar Reagan, e afirmando que era ele que contava que o apoio de Bruce Springsteen. Algo que foi de imediato desmentido pelos "public relations" de Bruce.

 

Em Novembro desse ano, Reagan vencia as presidenciais de forma avassaladora para um segundo mandato na Casa Branca.

 

Texto publicado originalmente no PiaR.
Publicado por Alexandre Guerra às 15:34
link do post | comentar
partilhar
Domingo, 17 de Junho de 2012

"1999", o protesto de Prince contra a política nuclear de Ronald Reagan

 

Música "1999" do álbum homónimo de Outubro de 1982

 

Quando em Outubro de 1982 Prince lançou o seu quinto álbum, “1999”, o então Presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, que ainda nem sequer tinha chegado a metade do seu primeiro mandato, já tinha marcado bem o seu estilo de governação, elegendo a América como o farol da moralidade e da virtude no mundo ao mesmo tempo que via na União Soviética a concretização de um sistema perverso e maléfico.

 

Faltavam ainda quatro anos para a célebre cimeira de Reiquiavique, realizada a 11 e 12 de Outubro de 1986 entre Reagan e Mikhail Gorbachev, então Secretário Geral do Partido Comunista. Este seria o primeiro passo dado por aqueles dois dirigentes para abordarem a problemática do “controlo de armamentos”, nomeadamente, a questão dos arsenais nucleares das duas super potências.

 

O fantasma de um conflito nuclear mundial pairava nas sociedades ocidentais com particular insistência no início dos anos 80, sobretudo com a Guerra Fria a “aquecer” durante este período, para depois voltar a “desanuviar” a partir da segunda metade da década de 80.

 

Foi aliás para fazer face a esta ameaça que Reagan anuncia a intenção de lançar um projecto defensivo contra mísseis balísticos soviéticos chamado Iniciativa de Defesa Estratégica (IDE), mas que ficou vulgarmente conhecido como “Guerra das Estrelas”.

 

A opinião pública pressionava os governos da Europa e de Washington para que tomassem medidas concretas de modo a afastar o espectro de um conflito nuclear à escala global.

 

E é com este espírito de protesto, mas também de receio por uma guerra nuclear, que Prince compôs a música “1999” do álbum homónimo. Esta música foi o primeiro single a ser lançado. Em 1998 a música seria regravada, desta vez, com a banda The New Power Generation.

 

Quanto ao álbum, o primeiro que Prince fez com a banda Revolution, tornou-se no quinto mais vendido nos Estados Unidos em 1983, sendo um trabalho inspirador na forma como são utilizados os sintetizadores na mistura de estilos musicais como o R&B, o Funk, o Soul e até mesmo o Pop.

 

“1999” foi merecedor de inúmeras menções, tendo a revista Rolling Stone colocando-o na posição 163 dos 500 melhores álbuns de todos os tempos.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:58
link do post | comentar
partilhar
Domingo, 23 de Janeiro de 2011

Ronald Reagan também teve o seu episódio na saga "Star Wars"

 

 

Strategic Defense Initiative (SDI). Dito assim, poucos se lembrarão o que esta sigla quererá dizer, apesar de ter sido uma das iniciativas políticas mais importantes e polémicas na década de 80. Agora, se se falar em “Star Wars”, então, provavelmente, muitos se lembrarão do famoso e polémico projecto anunciado pelo Presidente Ronald Reagan, numa comunicação ao País através da Casa Branca, a 23 de Março de 1983.

 

Projectado para a construção de um escudo antimíssil balístico contra a ameaça nuclear soviética, o SDI seria composto por uma série de sistemas terrestres e espaciais, que cobriria os Estados Unidos com uma espécie de escudo.

 

Perante a grandeza e a espectacularidade do SDI, rapidamente o projecto adoptou o nome “Star Wars”, numa alusão à célebre saga de George Lucas, cujo primeiro (na realidade o episódio IV) filme tinha sido lançado a 25 de Março de 1977, e contribuído para a "febre" e “descoberta” do Espaço como a nova fronteira da Humanidade.

 

O SDI mereceu as críticas de quase toda a comunidade científica, por considerar o projecto irrealista e tecnicamente impossível de concretizar, além de ter custos astronómicos, pertencendo ao mundo da fantasia e do imaginário, tal como a “Star Wars” de Lucas. Mas, para outros, a referência à saga “Star Wars” era uma forma de perspectivar um futuro real, mas que implicava um investimento prévio.

 

 

Ao contrário da saga de Lucas, a “Star Wars” de Reagan nunca viu a luz do dia, embora tenha permanecido na agenda política norte-americana desde então, com diferentes denominações e mudanças de conceito, estando nos dias hoje em discussão um novo sistema de defesa antimíssil, em parceria com a Rússia.

 

Reagan pretendia que o projecto “Star Wars” viesse assumir-se como uma nova doutrina militar de defesa estratégica, que substituísse a MAD (Mutual Assured Destruction), para se defender do Império do Mal, expressão que usara a 8 de Março de 1983 para caracterizar a União Soviética.

 

Houve também quem dissesse que com este projecto dispendioso Reagan quisesse sobrecarregar os cofres de Moscovo, obrigando o Kremlin a acompanhar o esforço militar, tecnológico e científico americano, à semelhança do que tinha acontecido durante a Guerra Fria, numa lógica de procura constante pela paridade entre as duas Super Potências.

 

*Depois do texto publicado na semana passada, o Diplomata continua a nova rubrica anunciada neste espaço.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:02
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos