Segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

Seguir o dinheiro

 

No início dos anos 80, com os soldados soviéticos no Afeganistão, isto era assim: as secretas americana (CIA) e saudita (GID) gastavam milhões de dólares no apoio, directo ou indirecto, aos mujahedin no Afeganistão para que estes combatessem o Exército Vermelho.

 

Tratavam-se de "covert operations" e, por isso, no caso da Arábia Saudita, o dinheiro era, primeiro, enviado de Riade para o seu embaixador nos Estados Unidos, Bandar bin Sultan. Este, posteriormente, reenviava os fundos para uma conta secreta da CIA na Suíça. A partir daqui, os operacionais da Near East Division efectuavam as compras de material militar no mercado internacional, a países como Israel ou até mesmo a China, na altura feroz inimiga da URSS.   

 

Publicado por Alexandre Guerra às 19:10
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Os espiões sabem que os seus países não têm "amigos"

 

 

Por definição, nas Relações Internacionais não há países amigos, apenas aliados ou inimigos. Não é por isso de estranhar que mesmo as relações entre agências de "intelligence" de países aliados sejam marcadas por alguma desconfiança e opacidade. Por exemplo, são muitas as histórias de engano e de dissimulação entre a CIA e a ISI (serviços secretos paquistaneses) e vice-versa. O mesmo se pode dizer na dinâmica comunicacional entre a Mossad e a CIA (e vice-versa).

 

Há um caso dos tempos da Guerra Fria bem demonstrativo da desconfiança instalada entre as secretas americanas e israelitas. A determinada altura, Washington queixa-se que os seus colegas espiões israelitas não estariam a passar a informação necessária sobre um determinado assunto e, como tal, exigiram uma maior cooperação. Os homens da Mossad não querendo, por um lado, desrespeitar o pedido da CIA e, por outro, abrir o "jogo" todo com os seus homólogos americanos, optaram por uma solução cínica, mas engenhosa: passaram a enviar montantes gigantescos de informação, atulhando de tal forma os analistas da CIA que os impossibilitava de se focarem com atenção em áreas sensíveis para Israel.      

 

tags: , ,
Publicado por Alexandre Guerra às 15:44
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 6 de Outubro de 2011

Haqqani “network”, uma afiliada dos taliban a operar no sector do terrorismo

 

Sirajuddin Haqqani, em primeiro plano/Foto: Reuters

 

Sirajuddin Haqqani é hoje uma das principais figuras do terrorismo islâmico, ao liderar a ascendente rede Haqqani, uma espécie de afiliada dos taliban a operar no Paquistão e no Afeganistão, supostamente com o apoio camuflado ou, pelo menos, a conivência da agência dos serviços secretos paquistaneses, a ISI.

 

Apoio, esse, que o Governo de Islamabad nega categoricamente, mas que Washington e a CIA crêem ser real. Aliás, ainda há uns dias, o recém retirado Chefe do Estado Maior dos Estados Unidos, o almirante Mike Mullen, classificou a rede Haqqani como um “braço armado” da ISI. Declarações proferidas na sequência do atentado do passado dia 13 de Setembro contra a Embaixada norte-americana em Cabul.

 

As palavras de Mullen foram as mais duras contra Islamabad desde o início da parceria entre os Estados Unidos e o Paquistão na “guerra contra o terrorismo” em 2001.

 

Há muito que as relações diplomáticas entre Washington e Islamabad caíram para níveis mínimos, instalando-se uma desconfiança e um tom de crispação constantes.

 

Como o autor destas linhas escreveu há uns dias, “Islamabad não tem gostado destas acusações e muito menos das incursões da CIA e das forças especiais norte-americanas no seu território, como aconteceu em Maio passado, com a operação levada a cabo pelos “navy seals” numa localidade a poucos quilómetros da capital paquistanesa e que culminou na morte de Osama Bin Laden, perante o desconhecimento total do Governo do Paquistão”.

 

Por outro lado, os responsáveis em Washington olham para a rede Haqqani como uma espécie de sucessora da al Qaeda, tendo em conta a sua eventual actividade terrorista nos últimos tempos.

 

A rede Haqqani, que tem o seu bastião na região tribal do Waziristão Norte, tem uma liderança colegial, composta por sete elementos devidamente identificados por Washington, estando Sirajuddin no topo.

 

Alguns daqueles elementos são familiares directos de Sirajuddin, o qual assumiu a liderança da rede em 2008, fundada pelo seu pai, Jalaluddin, há mais de 30 anos, e que permanece ainda na cúpula da organização. Os Haqqanis pertencem à tribo Zadran, do leste do Afeganistão.

 

 

Uma das particularidades da rede Haqqani em relação a outros grupos islâmicos é o seu cariz familiar e o seu perfil criminoso. São sem dúvida um grupo de ideólogos islâmicos, mas violam ao mesmo tempo os seus preceitos ao entregarem-se a práticas criminosas que podem ir de raptos por dinheiro a tráfico de produtos valiosos, passando por extorsão.

 

À semelhança do que aconteceu com os taliban e com al Qaeda, também os Haqqani foram antigos mujahedin, que lutaram conta a ocupação soviética do Afeganistão durante os anos 80. Deverão contar nas suas fileiras com cerca de 12 a 15 mil homens.

 

Não é por isso de estranhar que, perante a escalada diplomática entre os Estados Unidos e o Paquistão, o Governo de Islamabad acuse Washington de ter criado a rede Haqqani, referindo-se ao apoio militar dado pelos americanos a todos os afegãos que estavam dispostos a pegar em armas contra os soldados do Exército Vermelho.

 

Ainda recentemente, o ministro do Interior paquistanês, Rehman Malik, relembrou que a CIA treinou e equipou os “haqqanis” e as “al Qaedas” que se viriam a revelar dramaticamente anos mais tarde.

 

Malik desafiou ainda Washington a provar que a rede Haqqani estaria a operar a partir do Paquistão: “Let us be pragmatic. If you (US) have any information on the Haqqani network’s presence in Pakistan, share it with us and we will cooperate as we have been cooperating in the past.”

 

O problema das palavras de Malik é a sua fragilidade perante a incapacidade real do Paquistão combater e controlar os militantes islâmicos dentro do seu próprio território.

 

Uma situação que ganhou contornos bastante embaraçosos para as autoridades paquistanesas quando, debaixo dos seus próprios olhos, mas sem darem por isso, a CIA e os “navy seals” eliminaram Osama bin Laden, no passado mês de Maio, numa vivenda localizada em Abbottabad, a poucos quilómetros de Islamabad e próxima de uma academia militar de elite.

 

Seja como for, Sirajuddin, numa tentativa de afirmar a independência da sua rede, veio afirmar à BBC News, no início desta semana, que não acata ordens da ISI, revelando, no entanto, que mantém contactos com alguns serviços de “intelligence”, incluindo os paquistaneses.

 

Citada por aquela televisão, uma fonte da “intelligence” afegã não acredita nas palavras de Sirajuddin, dizendo mesmo que aquela rede foi criada pela ISI e que integra nas suas fileiras militantes de um outro grupo terrorista islâmico paquistanês, o Lashkar-e Taiba, que também se suspeita ter ligações ao Governo do Paquistão e que opera, sobretudo, contra os interesses indianos em Caxemira. Segundo a mesma fonte, a rede Haqqani e o grupo Laskhar-e Taiba trocam informação e know-how ao nível táctico e operacional no terreno.

 

Para alguns analistas, as declarações de Sirajuddin funcionam como uma válvula de escape face à pressão que Islamabad está a sentir de Washington.

 

Texto publicado originalmente no Forte Apache.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 11:08
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 3 de Agosto de 2011

SIS, uma história secreta nunca revelada e agora contada pelo Diplomata

 

 

 

Por motivos diferentes, é recorrente, de tempos a tempos, surgir na agenda mediática e no debate político português alguma história (ou talvez estória) relacionada com os serviços secretos. Seja os Serviços de Informação de Segurança (SIS) ou os Serviços de Informação Estratégicas de Defesa (SIED), trata-se sempre de um tema aliciante, embora na maior parte das vezes o assunto surja devido às suas ramificações políticas e não necessariamente a temas relacionados com a actividade, propriamente dita, daquelas entidades.

 

O Diplomata confessa que pouco ou nada sabe sobre a actividade e os métodos do SIS ou do SIED. O que não será propriamente anormal, tendo em conta a natureza secreta daquelas organizações.

 

Ao contrário do que se passa com outras agências do género noutros países, tais como a CIA, a Mossad, a ISI, o FSB, o MI5 ou o MI6, no caso do SIS ou do SIED a literatura existente é escassa, as informações rareiam e as duas organizações são bastante fechadas, não permitindo olhares indiscretos sobre as suas estruturas, orgânicas e acção.

 

É também por isso que o Diplomata estranha aquilo que algumas vozes opinativas, que andam pelos jornais e televisões, têm dito sobre a importância e actividade dos serviços secretos, a propósito da mais recente polémica em torno dos e-mails enviados pelo ex-director do SIED, Jorge Silva Carvalho, para a Ongoing, empresa para a qual passou a trabalhar poucas semanas depois de ter deixado as secretas.

 

Brasão comemorativo dos 25 anos do SIS (1985-2010)

 

Num dos textos que o Diplomata leu, o seu autor, director de um jornal, portanto alguém com responsabilidades acrescidas e dever de objectividade, tecia uma série de considerações que ridicularizava o papel das secretas em Portugal, relegando-as para uma brincadeira de alguns senhores. O tom chegava a ser ofensivo.

 

Ora, este não é um discurso isolado e há quem tenha esta opinião em Portugal sobre os seus serviços secretos.

 

A questão principal, e sobre a qual todos deveriam reflectir, deveria passar por tentar perceber-se o papel das secretas nas sociedades modernas. E aqui as pessoas devem abstrair-se daquilo que sabem e ponderar sobre aquilo que não sabem. Devem ter em consideração não os atentados que vão ocorrendo por esse mundo fora, mas aqueles que já foram evitados devido à acção dos serviços secretos.

 

Mas ainda em relação ao trabalho dos serviços secretos portugueses, o autor destas linhas talvez até saiba um pouco mais do que aqueles que sem hesitação desvalorizam a actividade das agências de “intelligence” nacionais.

 

A história nunca foi contada publicamente, mas vários anos volvidos, poderá ser um contributo elucidativo para que os leitores deste espaço tenham um vislumbre sobre a actividade das agências nacionais.

 

Alguns dias depois do 11 de Setembro, o estado de alerta e de pânico era global. Agências de “intelligence”, forças armadas, polícias, e outras entidades em todo o mundo estavam empenhadas em procurar pistas, rastos e informação sobre a al Qaeda e eventuais novos ataques.

 

Na altura, o autor destas linhas vivia ainda os seus tempos de jornalista no Semanário, estando precisamente a trabalhar sobre este assunto, desde o primeiro embate do avião numa das torres do World Trade Center.

 

Algunas dias depois a seguir aos atentados, o autor destas linhas, que estava na redacção a “fechar” o jornal para sair na Sexta, recebeu uma “dica”, já ao final da tarde de Quinta, informando que Osama bin Laden teria estado ou passado em Portugal. A “fonte” era credível, já que a informação vinha de alguém ligado à Embaixada americana.

 

Com o tempo a escassear, uma vez que o jornal estava praticamente fechado, o autor destas linhas tentou por todos os meios confirmar a veracidade desta informação, numa altura em que a confusão era bastante no que diz respeito à clarificação de inúmeros dados que iam chegando de todos os lados.

 

Com poucas opções para confirmar a veracidade aquela “dica”, e estando excluída a via da embaixada americana, porque este autor não tinha acesso directo à “fonte”, foi tentada uma última possibilidade. Bater directamente à porta do SIS.

 

O autor destas linhas não tinha qualquer contacto próximo no SIS, mas não deixou de tentar a sua sorte. E surpreendentemente, depois de devidamente identificado, lá foi possível chegar à fala com alguém daquela agência que se apresentou apenas pelo primeiro nome.

 

O autor destas linhas recorda que ainda tentou conseguir um segundo nome, mas o interlocutor limitou-se a reiterar apenas o primeiro nome, sempre num tom educado e muito prestável.

 

De forma aberta e frontal, foi colocada ao “homem” do SIS a questão. Este, num registo cordato, mas claramente conhecedor da situação, respondeu algo que o autor destas linhas nunca mais esqueceu.

 

À pergunta se Osama bin Laden teria estado ou passado por Portugal, o agente limitou-se a dizer num tom clarificador e de sincera ajuda o seguinte: “Olhe que a família de bin Laden é muito grande.” E mais não disse. Porém, a verdade é que já tinha dito muito. O autor destas linhas iria confirmar isso mesmo mais tarde.

 

Com esta resposta, percebeu-se de imediato que o SIS não teria provas ou indícios de que Osama bin Laden tivesse passado ou estado em Portugal. No entanto, a resposta do “homem” do SIS pressuponha que haveria algo a investigar e com interesse jornalístico.

 

A informação era boa, mas faltava a sustentação factual e com o jornal a fechar optou-se por não avançar com a matéria.

 

Dias depois, a Rádio Renascença avançava com a notícia de que familiares de bin Laden tinham uma fábrica de conservas no Algarve. Um investimento inofensivo, mas deveras interessante à luz daquilo que dias antes o autor destas linhas ouvira do SIS.

 

Perante isto, ficou claro que o SIS não “andava a dormir” e poucos dias depois do 11 de Setembro já tinha um rasto concreto de pessoas com ligações ao líder da al Qaeda.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

Jogo de espiões no Paquistão

 

 

Um suposto militar das forças de operações especiais americanas no Paquistão/Getty Images

 

Corre na imprensa internacional que existe um autêntico jogo de espiões no Paquistão, opondo a CIA (e forças de operações especiais americanas) e os serviços secretos paquistaneses, a ISI.

 

Já há bastante tempo que as relações políticas e diplomáticas entre Washington e Islamabad têm vindo a degradar-se, atingindo níveis de desconfiança e de crispação inéditos depois da operação militar norte-americana que levou à morte do líder da al Qaeda, Osama Bin Laden, em Abbottabad, no passado dia 2 de Maio.

 

Desde então que a situação tem piorado, ao ponto da Casa Branca ter anunciado no início deste mês que iria suspender a ajuda militar de 800 milhões de dólares ao Paquistão.

 

Mas, por detrás deste conflito mais visível, parece estar a decorrer uma autêntica guerra de espiões no terreno, sobretudo depois de terem surgido notícias de que agentes da CIA teriam forjado um programa de vacinação em Abbottabad para controlar e identificar os ocupantes da casa onde se suspeitava estar Osama Bin Laden.

 

Citada pelo Guardian, a organização Médicins Sans Frontières considera que a operação da CIA foi “um abuso perigoso” que poderá comprometer o

trabalho humanitário no Paquistão.

 

Também àquele jornal, um responsável da ONU disse que este tipo de situação só vem alimentar ainda mais a desconfiança dos serviços secretos paquistaneses em relação às várias ONG’s ocidentais que estão a operar no território, acusadas por Islamabad de fazerem trabalho de espionagem.

 

Como tal, as autoridades paquistanesas têm restringido, cada vez mais, os movimentos dos vários trabalhadores humanitários no país, muitos deles a tentar dar auxílio às milhares de pessoas que ainda sofrem com as consequências devastadoras das cheias do ano passado.

 

De forma propositada, as forças de seguranças paquistanesas, sob a égide da ISI, estão a colocar inúmeras dificuldades burocráticas às ONG’s no terreno, que se reflectem no atraso de atribuição de vistos, na restrição de movimentos ou, até mesmo, na detenção e repatriamento de trabalhadores humanitários.

 

Por exemplo, nesta lógica de “guerra” silenciosa entre a ISI e Washington, ainda na semana passada um comboio humanitário americano que estava a entrar em Peshawar foi obrigado a regressar a Islamabad porque não tinha os documentos necessários.

 

É importante relembrar que já em Abril, Islamabad tinha exigido a Washington que reduzisse o número de agentes da CIA e de homens das forças de operações especiais a actuar no Paquistão, o que deveria perfazer cerca de 330 pessoas, segundo fontes próximas do processo. Embora estes números não tivessem sido confirmados por ninguém, talvez representassem entre 25 a 40 por cento do total dos homens americanos da CIA e das forças de operações especiais estacionados no Paquistão.

 

Respostas da ISI àquilo que considera ser uma ofensiva de espiões da CIA, como aconteceu em Janeiro último, quando o agente secreto americano, Raymond Davis, matou dois paquistaneses em Lahore. Já mais recentemente, em Washington, o FBI deteve o director de um grupo de lobby dedicado à causa de Caxemira que, supostamente, seria uma fachada para a ISI.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 22:18
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos