Quinta-feira, 25 de Setembro de 2014

O F-22 Raptor faz a sua estreia em missões reais de combate nos céus da Síria

 

F-22 Raptor/Foto: Lockheed Martin

 

Uma das novidades da campanha militar norte-americana contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria, segundo o jornal The Guardian, foi a estreia em combate do F-22 Raptor, o caça mais avançado e caro de sempre. Foi na passada Segunda-feira à noite que o Raptor sobrevoou os céus da Síria, com a sua capacidade "stealth" em combate, a possibilidade de voar a baixa altitude e, entre outras coisas, de conseguir alcançar a velocidade supersónica sem recorrer ao "afterburner (pós-combustão)".

 

Este F-22 é um caça de combate aéreo puro e, talvez por isso, todo o projecto que envolveu a sua criação e produção tenha estado envolvida em polémica, já que muitos se questionaram se seria este o caminho a seguir perante a ausência de missões reais de combate ar-ar nos dias hoje. Além disso, o seu elevado custo de venda, na ordem dos 160 milhões de dólares por unidade e a proibição de exportação daquele avião por uma questão de segurança nacional fizeram do F-22 um luxo insustentável para o Departamento de Defesa americano. Relembre-se que o F-22 Raptor, introduzido em 2005, foi desenvolvido pela Lockeed Martin e pela Boeing, e acabou por revelar-se um sorvedouro de dinheiro, tal como o Diplomata já tinha referido em 2012, tendo a sua produção terminado no final de 2011, com 187 caças. Estima-se que o projecto de desenvolvimento do F-22 tenha ficado nos 67 mil milhões de dólares.

 

O F-22 é o "state of the art" da aviação militar, nomeadamente na aviónica e nos sistemas de armas a bordo. Para Christopher Harmer, antigo piloto da Marinha e membro do Instituto para o Estudo da Guerra, a utilização do Raptor não é propriamente necessária, tendo em conta a presença de outros meios aéreos nos céus do Iraque e da Síria, tais como os F-16, os F-15 ou os bombardeiros B-1, e a inexistência de meios anti-aéreos avançados nas fileiras do Estado Islâmico. 

 

O Raptor ficará, provavelmente, na história da aviação militar americana como um marco tecnológico, e pouco mais, já que a sua existência pouco acrescenta ao poderio aéreo dos Estados Unidos em termos militares, que continua a fazer-se valer de caças como os F-14, os F-15, os F-16 ou os F-18.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:44
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 15 de Junho de 2012

Um luxo insuportável para o Pentágono

 

F-22 Raptor a ser reabastecido no ar durante um voo de treino/Foto: USAF 

 

Há quase dois anos, o Diplomata escrevia que “nas últimas duas décadas, os Estados Unidos envolveram-se num projecto para construir aquele que seria o mais extraordinário caça até à data.

 

O F-22 Raptor, introduzido em 2005, foi desenvolvido pela Lockeed Martin e pela Boeing, e acabou por revelar-se um sorvedouro de dinheiro, gerando muitas críticas, tendo sido decidido pela administração americana que a sua produção iria terminar no final de 2011, com 187 caças.

 

O seu elevado custo de venda, na ordem dos 160 milhões de dólares por unidade, a proibição de exportação daquele avião por uma questão de segurança nacional e a ausência de missões reais de combate ar-ar, fizeram do F-22 um luxo insustentável para o Departamento de Defesa americano”.

 

Ora, hoje, além do seu preço de produção ter ficado em 377 milhões de dólares por unidade, parece que aquele aparelho acarreta riscos acrescidos para os seus pilotos.

 

De acordo com o blogue Danger Room da Wired, o ambiente do cockpit do F-22 apresenta índices de toxidade e de asfixia (falta de oxigênio) nove vezes superior às dos outros caças, uma conclusão avançada por dois congressistas e que está a gerar alguma polémica.

 

Para já, o Pentágono diz que o aparelho está a operar normalmente, no entanto, já há algum tempo que existem relatos de pilotos a manifestar sintomas estranhos a bordo, levando a que a Força Aérea mantivesse em terra os F-22 durante quatro meses para inspecções aos seus sistemas.

 

Na altura, a Força Aérea não chegou a conclusões dramáticas, optando por instalar uns filtros nos caças e pouco mais. A verdade é que para o Pentágono era prioritário que os Raptor voltassem a voar quanto antes, tendo em conta o investimento feito para desenvolver aqueles aparelhos.

 

Mais tarde, acabariam por ser dois pilotos dos Raptor a dizer no programa 60 Minutes que existia uma “vasta maioria silenciosa” que achava aqueles caças inseguros para voar.

 

Perante isto, o secretário de Defesa, Leon Panetta, ordenou que as investigações fossem aprofundadas e que os F-22 voassem a baixas altitudes e em distâncias mais próximas das suas bases. Entretanto, a Força Aérea procedeu a alterações nos fatos dos pilotos.

 

Perante tudo isto, o tempo parece estar a dar razão ao Diplomata quando escreveu que os Raptor eram “um luxo insustentável para o Departamento de Defesa americano”.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:41
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Do glamour de Top Gun ao poder aéreo táctico na versão “low cost”

 

Piloto aos comandos de um F-16 Falcon

 

Na Era dos conflitos assimétricos, materializados no terrorismo, na pirataria, nos movimentos separatistas, nas acções criminosas de grupos organizados, nas guerras cibernéticas, entre outros, as formas convencionais de combate entre inimigos parecem estar cada vez mais desajustadas à realidade. Os portentosos embates de infantaria, as espectaculares batalhas marítimas, os glamorosos combates aéreos, fazem, de uma forma genérica, parte do passado.

 

Como dizia recentemente a The Economist, os caças supersónicos podiam ser “sexy” no tempo em que Tom Cruise estava aos seus comandos no filme Top Gun, mas nos dias que correm aparelhos como os ágeis F-14 Tomcat (Grunman Aerospace Corporation), os lindíssimos F-16 Falcon (General Dynamics/Lockeed Martin) ou os ameaçadores Mig 21 (Mikoyan) deixaram de ser tão procurados e venerados.

 

O que está na moda neste momento é o poder aéreo numa versão “low cost”, numa lógica de regresso à velha tecnologia das avionetas de hélice com propulsão de turbina a gás.

 

Aparelhos que possam custar apenas 2 milhões de dólares, ao invés dos 40 milhões de um F-16; Aparelhos que numa hora custem apenas 500 dólares de combustível, contrastando com os cerca de 10 mil de um caça; Aparelhos que possam aterrar em qualquer sítio e não estejam dependentes de bases aéreas ou de porta-aviões; Aparelhos que não exijam conhecimento mecânico particularmente especializado em termos de manutenção.  

 

A aeronave Super Tucano construída pela Embraer

 

Além disso, estes aviões de guerra “low cost” já podem suportar muita da alta tecnologia de navegação e de detecção que os caças têm, e são ideais para operações de vigilância e de transporte de bombas. São mais difíceis de abater, devido à sua simples composição em termos de tubagens e de circuitos electrónicos, que os torna menos vulneráveis a rajadas de metralhadora.

 

Alguns países com orçamentos mais reduzidos na área da Defesa estão a investir nesta solução, e até mesmo os Estados Unidos reconhecem o valor deste tipo de aparelho e abordagem, estando a Força Aérea norte-americana a ponderar a aquisição de 100 avionetas e a Marinha a compra do avião Super Tocano à empresa brasileira Embraer.

 

Citado pela The Economist, Robyn Read, especialista do Air Force Research Institute, que pilotou este tipo de aviões no Cambodja nos anos 70, lembra que estes aparelhos podem também ter altifalantes, essenciais para se comunicar com eventuais alvos antes da decisão de atacá-los. Porque, como Winston Churchill dizia, “já que se tem que matar um homem, não custa nada ser-se educado”.

 

Seja como for, e apesar de uma desvalorização do poder aéreo táctico, os governos não deixaram de investir nos caças supersónicos, incluindo Portugal, dotado de uma esquadra de F-16 estacionada na Base Aérea de Monte Real.

 

Mig-21 da Força Aérea indiana

 

Nas últimas duas décadas, os Estados Unidos envolveram-se num projecto para construir aquele que seria o mais extraordinário caça até à data.

O F-22 Raptor, introduzido em 2005, foi desenvolvido pela Lockeed Martin e pela Boeing, e acabou por revelar-se um sorvedouro de dinheiro, gerando muitas críticas, tendo sido decidido pela administração americana que a sua produção iria terminar no final de 2011, com 187 caças.

 

O seu elevado custo de venda, na ordem dos 160 milhões de dólares por unidade, a proibição de exportação daquele avião por uma questão de segurança nacional e a ausência de missões reais de combate ar-ar, fizeram do F-22 um luxo insustentável para o Departamento de Defesa americano.

 

Eurofighter Typhoon a manobrar em "afterburner"

 

Também a Europa se aventurou nos últimos anos num grandioso projecto, com a produção do Eurofighter Typhoon, um caça de sonho, considerado único na sua classe.

 

Construído pelo consórcio Eurofighter GmbH (Alenia Aeronautica, BAE Systems e EADS), o caça europeu é um programa ambicioso, que dá emprego directa e indirectamente a 100 mil pessoas, no entanto, teve contornos mais moderados e realistas, com cada unidade a custar cerca de 60 milhões de euros e com a sustentabilidade comercial do projecto assegurada.

 

O Eurofighter está operacional desde 2003, com cerca de 200 unidades, estando em carteira mais de 400 encomendas, embora algumas destas estejam a ser revistas por causa das fortes restrições financeiras com que alguns governos se confrontam.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Segunda-feira, 3 de Agosto de 2009

Congresso põe fim ao programa dos F-22 e dá vitória política a Barack Obama

 

 

O New York Times dedicou o seu editorial desta Segunda-feira aos caças F-22 "Raptor", já aqui referidos no Diplomata, congratulando-se com o facto da Câmara dos Representantes ter corroborado a decisão do Senado em terminar aquele programa militar.

 

Ojornal nova-iorquino considera que estas decisões do Congresso representam uma importante vitória para o Presidente Barack Obama, que colocou nas suas prioridades uma reorientação dos programas militares do Pentágono.

 

O programa F-22 teve início nos anos 80 numa lógica de Guerra Fria e rapidamente adquiriu contornos milionários, para resultar na construção de 187 aparelhos, os quais ninguém sabe ao certo para que servem.

 

Relembre-se que no ano em que foi adjudicada a sua construção à Lockheed Martin, 1991, a União Soviética implodia. Desde então, que o programa dos F-22 tem servido apenas para gastar dinheiro aos cofres do Pentágono, não tendo servido em qualquer guerra. Cada F-22 custa 140 milhões de dólares.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 22:19
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

F-22 Raptor cai no deserto do Sul Califórnia esfumando 140 milhões de dólares

 

Foto: Lockeed Martin

 

Um caça F-22 Raptor da Força Aérea norte-americana despenhou-se ontem no deserto do Sul da Califórnia, quando estava numa sessão de treinos, a alguns quilómetros da base de Edwards.

 

As razões da queda deste aparelho da Lockeed Martin, considerado um dos caças mais avançados da actualidade, são ainda desconhecidas, tendo o Pentágono apenas revelado os detalhes sobre a localização do acidente.

 

Já é o segundo acidente a envolver este tipo de aparelho, depois de em 2004 um outro ter caído na Base Aérea de Nellis no deserto do Nevada. Na altura, os voos dos F-22 foram suspensos durante duas semanas.

 

Os dois acidentes vêm apenas enriquecer o conturbado e controverso historial do F-22. Sobretudo porque o seu programa de desenvolvimento foi orçado em 65 mil milhões de dólares, para construir um avião que muitos consideram ser desadequado às novas realidades militares. Do plano original dos anos 80, que previa a construção de 750 F-22, o actual programa ficou-se pelos 183 caças. 

 

Totalmente focado para o combate aéreo, os seus principais críticos dizem que o F-22 Raptor é pouco versátil e muito caro. Cada máquina custa 140 milhões de dólares. Além disso, os mesmos detractores consideram o projecto F-35 Joint Strike Fighter, actualmente em desenvolvimento, muito mais adaptado às necessidades actuais, com um custo inferior por unidade de 80 milhões de dólares. 

 

O F-22 Raptor é claramente focado para o combate aéreo, equipado com mísses ar-ar, de modo a poder dominar os céus, tal como a Lockeed Martin o gosta de apresentar.

 

Uma das suas características, além da capacidade stealth, é a possibilidade de atingir velocidades supersónicas sem precisar de entrar em regime de "afterburner", podendo assim escapar mais facilmente aos radares térmicos.

 

Ora, o problema é que nos actuais cenários de conflito e de operações de imposição e de manutenção de paz, dificilmente se assistirá a combates aéreos pela supremacia dos céus ao estilo "Top Gun". E neste cenário, um caça como o F-22 Raptor estará sempre subaproveitado.

  

Publicado por Alexandre Guerra às 00:02
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos