Quarta-feira, 12 de Junho de 2019

Da contracultura ao mainstream

 

Ainda a noite eleitoral das europeias não tinha terminado e, um pouco por toda a Europa, os vários staffs dos partidos percebiam, à luz dos resultados que começavam a surgir, que os temas da economia ou da migração não tinham sido os únicos vectores mobilizadores do eleitorado. De um momento para outro, como se de uma revelação tratasse, a maioria dos políticos e respectivos assessores foram confrontados com uma agenda de interesses que lhes passou completamente ao lado na campanha e que “rendeu” muitos votos para alguns partidos que começaram, finalmente, a capitalizar nas urnas a aposta feita numa área até aqui de nicho. Chegara a vez do ambientalismo e das questões climáticas, associadas à sustentabilidade do planeta Terra, ocuparem um espaço vital no sistema político da Europa. Mais do que um tema de “moda”, o ambiente consolidou-se como “agenda” e mobilizador das tão cobiçadas gerações mais novas de eleitores (mas não só).

 

À Associated Press, Anna Kretzschmar, uma jovem berlinense de 20 anos dizia o seguinte: “A eleição europeia foi uma eleição climática.” Esta simples frase consubstanciava um movimento efectivo na Europa, movimento esse que impulsionou os partidos “verdes” a tornarem-se no quarto maior bloco do novo Parlamento Europeu, com mais de 75 assentos em Estrasburgo, o que representa um aumento substancial face a 2014. Ironicamente, para a história destas eleições ficará a subida dos “verdes” e não o tão anunciado despontar dos populismos. Basta ver o exemplo português, onde um pequeno partido de matriz mais ambientalista e ecologista conquistou entusiasticamente um eurodeputado, obtendo comunicacionalmente ganhos evidentes, ao dominar a agenda mediática e política, obrigando mesmo, na própria noite eleitoral, alguns candidatos de outros partidos a alterarem os seus discursos para “encaixarem” à última da hora o tema ambiente. E quando aqui se menciona ambientalismo, recorrendo à definição do sociólogo Manuel Castells, falamos de “todas as formas de comportamento colectivo que, tanto nos discursos como na prática, visam corrigir formas destrutivas de relacionamento entre o homem e o seu ambiente natural, contrariando a lógica estrutural e institucional predominante nos nossos dias”.

 

Bastaram 169 mil votos e um eurodeputado eleito para que, literalmente de um dia para outro, o sistema político em Portugal passasse a contemplar a questão ambiental nas suas prioridades. Da esquerda à direita, todos os partidos se assumiram como eufóricos defensores do combate às alterações climáticas, quando durante décadas foram esses mesmos partidos que nunca mostraram qualquer sensibilidade ou interesse na protecção do riquíssimo e vasto património natural do nosso país. Pelo contrário, nalguns casos, foram responsáveis directos pela destruição de preciosos recursos e pela criação uma política de desresponsabilização ambiental.

 

O tema do ambiente entrou muito tarde no sistema político português e se a prestação do PAN nas eleições legislativas de 2014 podia ser vista como uma anomalia sistémica ou um epifenómeno, as europeias de 2019 vieram confirmar a existência de uma tendência, não só tendo em conta os resultados nacionais, mas a “onda verde” que assolou a Europa.

 

Na Alemanha, e embora não sendo uma novidade, o Die Grüne (Verdes) consolidou-se no sistema político, tendo duplicado o seu resultado face a 2014, tornando-se no segundo partido mais votado nestas eleições, com 20,5 por cento. Também em França, o Europe Écologie-Les Verts (EELV) surpreendeu, tendo sido o terceiro partido mais votado, com quase 13,5 por cento. Em 2014, tinham tido cerca de 9 por cento. Na Holanda, o GroenLinks teve um excelente resultado, quase 11 por cento, subindo cerca de quatro pontos percentuais em relação a 2014. Na Bélgica, os dois partidos verdes, o ECOLO e o Groen, somam mais de 15 por cento de votos, quando em 2014 não chegaram aos 11 por cento. Na Irlanda, o Green Party passou os 11 por cento. Em 2014, não chegaram aos 5 por cento. Na Finlândia, o VIHR (Liga Verde) teve uma subida abismal, passando de 9,30 por cento, em 2014, para 16 por cento. E mesmo na Áustria, onde não se registou uma grande variação, o Die Grüne manteve-se nuns robustos 14 por cento.

 

Embora em Portugal o protagonista dessa tendência tenha ficado muito distante dos resultados alcançados por congéneres ou similares europeus, assiste-se a uma confirmação do seu carácter mainstream e o reforço da vocação de partido de sistema, um dado particularmente relevante num país do Sul da Europa. E também por esta razão, a sua prestação teve uma amplificação sobredimensionada na imprensa internacional face ao peso efectivo do seu único eurodeputado.

 

A questão é que este e outros partidos trazem uma novidade ao corporizarem programas políticos centrados no relacionamento do Homem com o ambiente e natureza, em detrimento da concepção tradicional, onde a economia se assumia como o tema privilegiado de formatação para o programa de qualquer partido, fosse ele de esquerda ou de direita. Era a “submissão” da política à economia, tema, aliás, já com algum tempo e amplamente debatido. Mesmo a problemática da migração tem surgido quase sempre associada às questões económicas, tais como a usurpação de postos de trabalho ou a falta de mão-de-obra nos países desenvolvidos – mais recentemente, associada também aos temas da segurança, mas nunca numa óptica de enquadramento nas sociedades de origem, para a procura de modelos que permitam o desenvolvimento sustentável nessas zonas do globo e, assim, fixarem as suas populações.

 

Estes partidos que agora afirmam a sua força no espaço europeu representam novas tendências de pensamento, novos hábitos sociais, novas formas de cultura. Para muitas destas pessoas, sobretudo os mais jovens, há uma “desmaterialização” (pelo menos aparente) da sociedade, na qual o princípio da “submissão” da economia ao ambiente é naturalmente aceite. Ou seja, assiste-se a uma inversão da equação das escolhas individuais e de cidadania em função do ambiente e não da economia.

 

Estes partidos inspiram e pretendem alterar hábitos de consumo e tendências sociais, tendo, pela primeira vez, um considerável bloco político para poder produzir ou condicionar legislação europeia nesse sentido. Muitos dirão que esse processo potenciará ingerências no campo das liberdades individuais. Talvez tenham razão, mas esta “onda verde”, ou “quiet revolution”, como lhe chamou o The Guardian, vai muito além do activismo ambiental idealista e romântico que mobilizou vários grupos e associações nos anos 60 e 70, alguns deles de cariz mais radical e fundamentalista. Há uma sofisticação no modelo de pensamento destes partidos, nos seus programas, onde o social e a economia se enquadram numa arquitectura ambientalista.

 

Quando olhamos para movimentos como a Greenpeace, criada em 1971, mais conhecida pelas suas espectaculares acções, mas ainda durante a década de 60, onde muitos fenómenos ambientalistas e ecologistas surgiam com pendor de contracultura, percebemos essa evolução, que tem como base movimentos sociais (alguns com origens nos finais do século XIX), que viriam mais tarde a conquistar “uma posição de destaque no cenário da aventura humana”, como referiu o sociólogo Manuel Castells no volume II da sua imensa obra A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultural. Diz o mesmo Castells, numa posição já com alguns anos, mas perfeitamente válida, que “a política verde não parece ser um tipo de movimento por si só, mas sim uma estratégia específica, isto é, a entrada no universo da política em prol do ambientalismo”. Se em tempos, os movimentos ambientalistas eram “uma espécie de celebração”, como escreveu Petra Kelly, uma das primeiras políticas alemãs ambientalistas e fundadora dos Verdes, o primeiro partido ambientalista a ganhar relevância sistémica a nível nacional e internacional, hoje, e depois de um longo caminho, podemos afirmar que a política ambiental é mais do que uma prática “tribal” ou de consciencialização. É, sobretudo, uma manifestação de poder inserida no quadro legislativo da Política da Cidade.

 

Publicado originalmente no Delito de Opinião.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:14
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

A virose socialista

 

 

As eleições europeias, ou melhor dizendo, os resultados das eleições europeias provocaram um fenómeno curioso nas estruturas partidárias socialistas de Lisboa a Paris. Uma espécie de virose política infectou o PS, o PSOE e o PSF. Talvez por proximidade geográfica, os sintomas são bastante semelhantes entre os dois partidos ibéricos. Tanto o PS, de (ainda) António José Seguro, como o PSOE, do demissionário Alfredo Pérez Rubalcaba, iniciaram um processo de luta interna muito idêntico.

 

Veja-se, a questão central que assalta neste momento os socialistas portugueses prende-se em saber se Seguro vai, ou não, convocar um congresso extraordinário para a disputa da liderança. Também em Espanha, com vários nomes a perfilarem-se à liderança socialista, discute-se se o PSOE deverá realizar primárias ou ir directamente para congresso.

 

No entanto, em França, e apesar da virose ter atacado forte o PSF, enfraquecendo-o de uma forma que os franceses nunca tinham visto, o seu líder e chefe de Estado, François Hollande, parece estar a ser bem medicado. Porque, não só resistiu, como lendo os destaques das edições online dos principais jornais franceses de hoje, é caso para perguntar: crise no PSF? Mas qual crise? O que está a dar são os números do desemprego, o escândalo no UMP, a Frente Nacional e Roland Garros.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:29
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 27 de Maio de 2014

Blair foi o primeiro a saltar para a arena política em defesa da Europa em que acredita

 

 

Dois depois das eleições europeias, as ondas de choque ainda se fazem sentir e, muito certamente, assim continuará nos próximos tempos. O seu impacto será sentido de forma diferente em cada país, mas uma coisa é certa, Estados como a França, a Grécia ou o Reino Unido viram o seu sistema político ser abalado de forma substancial, com a emergência de forças exteriores ao quadro "mainstream".

 

E perante esse vendaval, Tony Blair foi a primeira grande figura europeia a saltar para a arena política para manifestar a importância de se combater forças políticas mais radicais ou eurocépticas. Hoje, em entrevista à rádio BBC, o antigo primeiro-ministro trabalhista britânico disse que as pessoas vão descobrir coisas desagradáveis assim que começarem a conhecer melhor o UKIP, partido independentista que venceu as eleições em Inglaterra.

 

Blair, que foi um dos líderes mais carismáticos das últimas décadas em terras de Sua Majestade, apela a Ed Miliband, actual líder do Labour, para combater de forma determinada o UKIP e para não ceder na recusa a um referendo de "in/out" à União Europeia. Um apelo que se estende também aos outros líderes políticos dos partidos tradicionais.

 

Goste-se ou não, há que reconhecer que Blair foi um líder que sempre acreditou que o Reino Unido estaria melhor na UE do que fora dela e muito fez para aproximar o seu país ao projecto europeu, percebendo também que, por exemplo, Londres é hoje o que é por causa, em grande parte, da imigração. De certo modo, Blair foi mais europeísta do que outros líderes de países com tradições mais enraízadas na UE. 

 

Depois de nos últimos anos ter andado por este mundo fora a ganhar fortunas em conferências, fica-lhe bem regressar agora à arena política para defender os valores e ideais de uma Europa em que acredita. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:26
link do post | comentar | ver comentários (2)
partilhar
Sexta-feira, 23 de Maio de 2014

A primeira surpresa na europeias

  

 

Já se vota na Europa e da Holanda veio a primeira surpresa. Afinal, o Partido da Liberdade (PVV), de extrema direita e xenófobo, ficou muito abaixo daquilo que as sondagens lhe davam, segundo as projecções conhecidas. O polémico Geert Wilders parece não ter conseguido manter atractivo o seu discurso populista.

 

Apenas no Domingo, altura em que serão conhecidos os resultados oficiais, se poderá confirmar se esta e, eventualmente, outras surpresas se confirmam.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 16:55
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 20 de Maio de 2014

Eleições europeias

 

 

Fonte: Parlamento Europeu

Publicado por Alexandre Guerra às 11:25
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 19 de Maio de 2014

Act. React. Impact.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 17:14
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014

Farage desafia Labour e Tories com "namoro" ao eleitorado feminino

 

Nigel Farage, líder do UKIP

 

Com as eleiçoes europeias praticamente "à porta" e motivado por alguns sucessos eleitorais recentes, o UKIP (UK Independence Party) parece estar cada vez mais confiante num bom resultado a 25 de Maio. Quem o diz é o seu líder Nigel Farage, que acredita que o UKIP representa "agora a maior ameaça ao 'establishment' político [britânico] dos tempos modernos".

 

É uma afirmação arrojada, mas não totalmente despojada de argumentos válidos, porque as sondagens (e os resultados) demonstram que aquele partido tem vindo a ganhar apoio a nível nacional. Será o suficiente para se meter no meio do Labour e dos Tories? Isso se verá no dia 25 de Maio.

 

Uma coisa é certa, o UKIP tem apostado em temas mobilizadores, embora, por vezes, de forma bastante demagógica (tão do agrado do eleitorado). A mais recente cartada é dirigida às mulheres. Num "piscar de olhos" ao eleitorado feminino, Farage disse que uma das maiores mudanças no UKIP tem sido a ascensão das mulheres no seio do partido. "There are women candidates at number one and number two on the [European elections] lists", disse Farage.  E foi inteligente na sua abordagem ao valorizar o mérito daquelas mulheres em detrimento da lógica de quotas (um mecanismo politicamente correcto, mas redutor da condição feminina na sociedade, diz o Diplomata). 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:53
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos