Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

ElBaradei relembra a “gestão da revolução” 25 de Abril para alertar os egípcios

 

Mohamed ElBaradei, esta tarde, próximo do encerramento das Conferências do Estoril 2011

 

Mohamed ElBaradei, Prémio Nobel da Paz e antigo director da Agência Internacional de Energia Atómica, relembrou a Revolução 25 de Abril para dizer que, tal como aconteceu em Portugal, também no Egipto o grande desafio será o período pós-revolução.

 

Naquilo que considera ser a “gestão da revolução”, Elbaradei mostra-se cauteloso, porque está ciente das dificuldades que os egípcios têm pela frente.

 

Para o Nobel da Paz não basta “espoletar” a revolução, porque, provavelmente, o mais difícil será encontrar um caminho sólido para a democracia.

 

“As pessoas não se tornam democratas de um dia para a noite”, reconhece ElBaradei, que, no entanto, se congratula com o comportamento pacífico dos egípcios durante todo o processo de deposição do regime.

 

Regime esse que, na opinião de ElBaradei, geriu a situação de forma lamentável, tentando oprimir o movimento das ruas.

 

Para ElBaradei, um dos factores que podem ajudar o actual processo de transição tem a ver com o papel desempenhado pelo Exército, que se juntou à população, mantendo a ordem e evitando que as pessoas fossem reprimidas com violência, tal como aconteceu na Líbia.

 

 

Texto publicado originalmente em Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:48
link do post | comentar
partilhar

A mensagem dos portugueses enviada aos finlandeses em primeira mão

 

 

Numa iniciativa surpresa, os portugueses aproveitaram o palco das Conferências do Estoril para enviar uma mensagem aos finlandeses. O Diplomata divulga o vídeo em primeira mão.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 17:33
link do post | comentar
partilhar

As pessoas devem tentar conhecer os "fantamas" que representam o seu medo

 

Mia Couto (esq.) acompanhado por Charles Kupchan e Figueiredo Lopes, esta manhã.

 

De forma crua e directa, uma das "fontes de medo" das sociedades europeias é a questão da imigração, disse Charles Kupchan, na sua intervenção no primeiro painel desta Sexta-feira, sobre “Ameaças Globais – Desafios para a Segurança Humana”.

 

Quando se fala de ameaças globais, Figueiredo Lopes, Presidente da EuroDefense-Portugal e antigo ministro da Defesa, não tem dúvidas, quando diz que o futuro passa pelo aprofundamento do multilateralismo. Um registo de certa forma partilhado por Alex Bennet, co-fundadora do Mountain Quest Institute e Antiga Chief Knowledge Officer da Marinha dos EUA, quando diz que só é possível ultrapassar os desafios para a segurança humana através de uma “consciencialização colectiva” da globalidade das ameaças.

 

Uma das intervenções mais originais desta sessão foi, talvez, a de Viriato Soromenho-Marques, ao relacionar a problemática ambiental com os desafios de segurança. Trata-se de uma abordagem relativamente recente em termos históricos, quando comparada com as ameaças clássicas à estabilidade do sistema internacional.

 

Para Soromenho-Marques, uma das novidades na problemática das ameaças globais tem a ver com o facto da crise ambiental alterar a “percepção” que os Estados e as pessoas têm do conceito de “segurança”.

 

A “crise ambiental afecta o próprio sistema” e não apenas elementos desse mesmo sistema, como acontece com outras ameaças clássicas, doutrinariamente falando.

 

Além do mais, a crise ambiental “tem uma dimensão de irreversibilidade, de aceleração cumulativa no tempo, de insegurança política” e uma componente psicológica.

 

Soromenho-Marques sublinhou ainda existir quem coloque em causa evidências objectivas que afectam fisicamente a atmosfera, nomeadamente, algumas correntes nos Estados Unidos. No entanto, informa que “ninguém está em condições de antecipar” a “instabilidade do ecossistema planetário.

 

Georges Landau, Presidente da Prismax Consultoria, no Brasil, focou-se mais na problemática do relacionamento entre o crescimento de países como a China e o Brasil e o consumo de recursos energéticos e alimentares. Para Landau, só através de um equilíbrio naquela equação será possível garantir a “segurança humana”.

 

Num registo diferente, mas bastante do agrado do Cables from Estoril, Mia Couto, sendo menos técnico que os restantes oradores, ofereceu uma perspectiva mais “literária” e emotiva sobre a relação que as pessoas têm com as ameaças e os seus medos. Mia Couto mostrou-se preocupado porque na maior parte das vezes essa relação não é íntima, já que as sociedades ocidentais e as pessoas evitam aprofundar as causas desses mesmos receios.

 

Dando o exemplo de Osama bin Laden, o escritor moçambicano lembrou que as pessoas vêem neste tipo de homens “fantasmas como representação do próprio medo”. No entanto, Mia Couto lamenta que pessoas não procurem ir além dessa percepção superficial, ou seja, não tentem conhecer as razões que estão por detrás de determinados comportamentos que ameaçam globalmente o mundo.

 

 

Texto publicado originalmente em Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:13
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 5 de Maio de 2011

Investigadores debatem Governação Global sob diferentes perspectivas

 

O segundo dia das Conferências do Estoril iniciou-se com um painel bastante académico, mas muito interessante e diversificado, dedicado ao tema “A Arquitectura da Governação Global”.

 

Moderado por Ricardo Costa, director do Expresso, a sessão contou com oradores provenientes de diferentes áreas de intervenção, que deram várias perspectivas sobre inúmeros problemas e desafios que afectam as relações internacionais.

 

Os desafios da governança, nomeadamente, as questões económicas e financeiras, mereceram a atenção dos intervenientes, como Sergey Karanov, Jean-Marie Guéhenno ou Daniel Drezner, tendo também Carlos Lopes, Sub-secretário Geral das Nações Unidas, exposto as suas ideias sobre aquilo que podem ser os novos paradigmas e câmaras de debate e regulação internacional.

 

E por falar em novas abordagens, Jean-Marie Guéhenno lançou uma sugestão àquelas que já foram consideradas as potências históricas, para se libertarem de preconceitos colonialistas e começarem a olhar para África como uma terra de oportunidades, à semelhança do que já fazem os BRIC. Dentro deste registo, Fernando Jorge Cardoso lembrou as taxas elevadas de crescimento económico em muitos países africanos, algumas delas próximas dos dois dígitos. Revelou ainda que muitos dos Estados da África subsariana já têm índices médios de crescimento.

 

Também o tema China, enquanto actor internacional cada vez mais dominante, foi um dos temas fortes do debate, com Jing Huang a explicar o que considera ser a estratégia da China para adaptar o seu estatuto de potência em crescimento substancial ao sistema internacional.

 

No âmbito da governação global, Ricardo Costa trouxe para o debate a polémica intervenção da NATO na Líbia, aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU, com Carlos Lopes a lembrar que apesar de eventuais erros, é importante lembrar que aquela organização continua a ser o único sítio onde todos podem falar com todos.

 

Ainda no âmbito dos tempos turbulentos que se vivem no Médio Oriente, em particular na Síria e no Irão, Daniel Drezner sublinhou que as crises revelam, em parte, a fraqueza dos países mais poderosos em fazer face a estas dinâmicas.

 

Na ressaca da morte de Osama Bin Laden, Jean-Marie Guéhenno falou ainda na relação dos taliban com a al Qaeda, sublinhando que a morte daquele terrorista contribuirá para o esbatimento de elos de ligação entre os primeiros e a organização terrorista. O mais importante neste momento, diz Guéhenno, é iniciar-se uma abordagem negocial com os vários actores daquela região, com destaque para Islamabad.

 

 

Texto originalmente em Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 11:42
link do post | comentar
partilhar

Roubini diz que o País só sairá da recessão em 2013, o que até poderá ser uma boa notícia

 

Nouriel Roubini, esta Quarta-feira, nas Conferências do Estoril

 

A vida tem destas coisas e quem diria que Nouriel Roubini, um dos homens mais aguardados no Estoril, e de quem o Jorge Nascimento Rodrigues já aqui falou, iria discursar no mesmo dia em que os portugueses ficaram a conhecer a “receita amaldiçoada” do FMI e companhia.

 

Por mais pessimista que Roubini quisesse ser, fazendo jus à sua reputação, estaria sempre condenado ao fracasso, uma vez que nesta altura do campeonato já poucas coisas deverão impressionar os portugueses em matéria de más notícias.

 

Até no tema da sua conferência, “A Crise Financeira Internacional e a Zona Euro”, Roubini poderá não ter tido a melhor das sortes, porque sobre estas matérias, é muito provável que a maioria dos portugueses já tenha um doutoramento.

 

Seja como for, Roubini lá disse que “a globalização começou há 500 anos aqui em Portugal”, sublinhando que actualmente o grande problema do País é o seu crescimento.

 

Roubini sublinhou ainda que há problemas específicos na zona euro que atingem Portugal, Espanha, Grécia, Irlanda e Itália, embora cada um destes países viva realidades diferentes. Em comum têm os elevados défices orçamentais face a políticas fiscais ineficazes para a sua diminuição.

 

Aquele economista revelou ainda que a melhor forma de Portugal resolver o problema da dívida é o crescimento económico. E, em jeito de premonição, Roubini disse que Portugal só deverá sair da recessão em 2013, o que provavelmente até é uma boa notícia para muitos portugueses, já que a maioria acha que o País vai estar condenado durante muitos e largos anos.

 

 

Texto publicado originalmente em Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:18
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 4 de Maio de 2011

Villepin chega ao Estoril novamente ensombrado pelo caso Clearstream

 

Dominique de Villepin/Foto:AP/Michel Euler

 

Dominique de Villepin, antigo primeiro-ministro francês e figura destacada do espectro político do centro-direita, chega ao Estoril para falar sobre os desafios actuais da construção europeia”, numa altura em que volta a ser “perseguido” pelo polémico caso Clearstream, que o obrigou a sentar-se no banco dos réus em 2004, tendo, no entanto, sido ilibado das quatro acusações que recaíam sobre si.

 

Villepin tinha sido acusado por ter permitido que continuasse a circular uma lista que alegadamente saberia ser falsa, com nomes de inúmeras personalidades políticas erradamente associadas a contas no banco luxemburguês Clearstream respeitantes a subornos de negócios de armamento, nomeadamente, a venda de fragatas francesas a Taiwan.

 

Mais tarde soube-se que foi um auditor estagiário da Clearstream, Florian Bourge, e o jornalista Denis Robert que forneceram o documento a Jean Louis Gergorin, vice-presidente da EADS, e a Imad Lahoud, um brilhante matemático.  As listas foram dadas a conhecer na altura a Villepin, então ministro dos Negócios Estrangeiros, que ordenou ao responsável da EADS que as entregasse à justiça.

 

Um dos nomes era o de Nicolas Sarkozy, o que levantou de imediato várias teorias, que apontavam para um lado mais maquiavélico de Villepin, visto que emergiu a grande dúvida, e que ainda hoje certamente paira sobre muitos franceses, em saber se este tinha conhecimento da falsidade da lista e se, propositadamente, ordenou o seu envio para as autoridades como forma de prejudicar o seu rival.

 

Relembre-se que na altura, começava-se a falar de possíveis candidaturas presidenciais para 2007 e de imediato surgiram várias teorias de que o aparecimento da lista serviria os interesses de Villepin para comprometer e denegrir a imagem de Sarkozy, afastando-o, assim, de uma potencial candidatura no campo da direita.

 

O autor destas linhas recorda que acompanhou este caso com interesse e surpresa pelo facto de Villepin, tido como um diplomata elegante, homem de cultura e autor de vários livros sobre Napoleão, estar então envolvido em alegados “esquemas” que mais facilmente seriam conotados com Sarkozy.

 

Villepin acabou por ser ilibado, mas houve outros réus que não tiveram a mesma sorte. Sorte, essa, que poderá também acabar para Villepin, já que o assunto volta a ganhar relevância, com o Ministério Público a recorrer e a obrigar o antigo primeiro-ministro a prestar novamente declarações no âmbito deste processo.

 

Com eleições presidenciais para o ano e tendo Villepin criado um novo partido depois de ter deixado o UMP (centro-direita) para, muito provavelmente, apresentar uma candidatura ao Eliseu, é possível que o reacendimento deste caso lhe possa provocar alguns dissabores.

 

Algo que seria do agrado de Sarkozy, uma vez que as sondagens indicam que Villepin poderá ter 5 por cento na primeira volta das eleições, um valor que pode ser suficiente para complicar a vida ao actual Presidente, remetendo-o, eventualmente, para um terceiro lugar, atrás de um candidato socialista e, hipoteticamente, de Marine Le Pen, bem posicionada na corrida eleitoral. Se este cenário se verificasse, Sarkozy ficaria afastado da segunda volta.

 

Alguns analistas dizem que o recurso do Ministério Público pode ter grandes implicações nas candidaturas à direita, e apesar da imprensa referir que os dois arqui-inimigos possam estar mais próximos, a verdade é que a rivalidade entre Villepin e Sarkozy vem de há muito, quando ainda se discutia sobre quem seria o sucessor de Jacques Chirac no UMP.

 

Neste momento, é ainda difícil saber o quão este novo julgamento do caso Clearstream afectará a imagem de Villepin, no entanto, deverá ser um factor determinante na decisão de avançar, ou não, para uma candidatura presidencial.

 

Razões mais do que suficientes para que Villepin chegue ao Estoril com mais em que pensar do que propriamente nos “desafios actuais da construção europeia”.

 

 

Texto originalmente publicado no Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 02:06
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 2 de Maio de 2011

Para lá das celebridades, existem nomes a não perder no Estoril. Carlos Lopes é um deles

 

Carlos Lopes/Foto: Nuno Ferreira Santos/Público

 

Numa iniciativa como as Conferências do Estoril, que reúne inúmeros oradores de prestígio internacional, alguns dos quais autênticas celebridades, por vezes, corre-se o risco de se focar excessivamente as atenções nessas pessoas, mais mediáticas, distraindo o público das apresentações de outros participantes de valor intelectual e profissional igualmente reconhecido, mas menos expostos em termos de notoriedade.

 

Vai haver vários casos desses no Estoril, e o Cables from Estoril destaca aqui um desses nomes, menos sonante, mas imperdível, sobretudo para quem se interessa por assuntos africanos e latino-americanos, e temas relacionados com a problemática do desenvolvimento em países menos avançados (PMA).

 

Carlos Lopes, Subsecretário Geral das Nações Unidas e Director Executivo do Instituto para Formação e Pesquisa da ONU (UNITAR), que participará no painel da manhã de Quinta-feira sobre A Arquitectura da Governação Global, é um sociólogo guineense que trabalha para as Nações Unidas há alguns anos, tendo inclusive sido consultor da UNESCO e da Comissão Económica da ONU para África (CEA), e integrado os quadros do PNUD em 1988 como economista para o desenvolvimento. Em Janeiro de 2003 foi coordenador residente do PNUD no Brasil, tendo dois anos mais tarde sido nomeado director dos Assuntos Políticos, Humanitários e de Manutenção de paz no Gabinete do antigo Secretário-Geral, Kofi Annan.

 

O autor destas linhas teve contacto pela primeira vez com o trabalho de Carlos Lopes há uns anos, precisamente numa cadeira do curso de Relações Internacionais sobre estudos africanos, mais concretamente sobre a África lusófona, ao ler um livro de sua autoria.

 

“Compasso de Espera – O Fundamental e o Acessório na Crise Africana” é um pequeno livro com prefácio de Boaventura Sousa Santos editado em 1997, mas de grande qualidade académica. Embora seja uma obra claramente datada, rapidamente se tornou uma ferramenta fundamental para uma melhor compreensão dos temas africanos. Desde então, Carlos Lopes tem sido um nome acompanhado com toda a atenção.

 

Carlos Lopes, que esteve presente na primeira edição das Conferências do Estoril, tem várias licenciaturas da Universidade de Genebra e é doutorado em Estudos Africanos e em História pela Universidade de Sorbonne de Paris, e especialista em desenvolvimento e planeamento estratégico. Na altura, a jornalista Teresa de Sousa do Público fez-lhe uma entrevista que vale a pena recordar.

 

Carlos Lopes ajudou a criar organizações não-governamentais e foi consultor da UNESCO, da Autoridade Sueca para a Cooperação e Desenvolvimento, do Grupo de Pesquisa e Estudos Tecnológicos de Paris (GRET) e da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA).

 

Na Guiné Bissau atingiu aos 24 anos o topo da carreira da função pública e coordenou o estabelecimento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), uma das instituições de pesquisa mais conceituadas da África Ocidental.

 

Carlos Lopes foi autor e coordenador de 20 livros, tendo leccionado em várias universidades e instituições académicas em cidades como Lisboa, Zurique, Cidade do México, São Paulo ou Rio de Janeiro.

 

 

Texto publicado originalmente em Cables from Estoril.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 11:14
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 29 de Abril de 2011

Mais do que o "fim da História", valerá a pena ouvir Fukuyama sobre o "último homem"

 

 

Das várias personalidades que vão estar nas Conferências do Estoril na próxima semana, e muitas delas de excepcional calibre político e intelectual, o autor destas linhas revela o seu primeiro “cable” ao admitir o seu particular interesse por Francis Fukuyama, aguardando com muita expectativa a apresentação deste filósofo político.

 

Ao contrário do que o leitor possa estar a imaginar, esta preferência não se deve à obra que o tornou célebre, O Fim da História e o Último Homem, mas antes ao trabalho que desenvolveu no ambito do estudo da problemática das novas biotecnologias nas sociedades pós-modernas.

 

É certo que Francis Fukuyama se celebrizou pela sua teoria determinista pós-Guerra Fria, no entanto, para quem conhece a obra de Kojève, Marx, Hegel ou, recuando ainda mais, de Políbio, percebe que nada de novo existia naquele paradigma e convicção de que o autor estava a viver um momento único de ruptura sistémica. A verdade é que já muitos outros tinham escrito sobre o “fim da história”, precisamente por acreditarem que também eles viviam naquele determinado momento da História uma época única de mudança de paradigma.

 

Seja como for, a parte mais interessante desse famoso livro de Fukuyama, e que muitos ignoraram ou nem se aperceberam, é aquela a que se refere ao “último homem”. Porque, é precisamente a partir deste pressuposto que aquele filósofo político parte para o seu estudo sobre o “mundo pós humano”, que resulta no fascinante livro, este sim, O Nosso Futuro Pós-Humano.

 

É importante relembrar que quando Francis Fukuyama falou no “fim da história”, apropriando-se de uma concepção determinista, admitiu mais tarde que a génese da destruição da sua tese se encontrava precisamente nas novas biotecnologias. A possibilidade de um “outro eu”, produto do Homem e não do livre arbítrio, faria emergir um mundo pós-humano, dando-se, assim, início a uma nova História.

 

Pela primeira vez, Deus deixara de ter a exclusividade para aniquilar a sua própria criação. O Homem passava a ter essa possibilidade, o governante passava a deter o poder para destruir a Humanidade.

 

O livro O Nosso Futuro Pós-Humano, publicado em 2002, veio reflectir precisamente sobre a problemática das novas biotecnologias, nomeadamente, ao nível do seu impacto nas sociedades pós-modernas, algo com que os decisores políticos até então jamais tinham sido confrontados.

 

Este é um debate que era apenas o produto da imaginação de alguns homens, como por exemplo Aldous Huxley, que no seu Admirável Mundo Novo recorre ao primado da ciência e tecnologia para “acabar” com a Humanidade, tal como a sempre se conhece, para mergulhar num mundo pós-Humano.

 

Aquela obra foi escrita há, sensivelmente, 70 anos. Hoje, o mundo pós-humano de Francis Fukuyama não é fruto da sua imaginação, mas sim resultado de uma análise e investigação da realidade pós-moderna.

 

Com os instrumentos que começam a ficar ao dispor dos cientistas capazes de desafiar a ordem instituída, Fukuyama enfatiza as diferenças entre uma sociedade criada a partir do livre arbítrio, ou daquilo que chama de “lotaria genética”, e uma sociedade erigida com base em modelos pré-definidos, onde nada é deixado ao acaso. “Livre arbítrio vs determinismo (genético)” poderá vir a tornar-se uma das equações mais fracturantes e polémicas no debate politico e sociológico dos próximos anos. E Fukuyama ajuda a explicar porquê.

 

Texto publicado originalmente em Cables from Estoril.

 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:15
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

Cables from Estoril

 

 

Como escreveu o Nuno Gouveia, "as Conferências do Estoril 2011 apresentam-se como uma verdadeira janela para a discussão dos problemas e desafios mais prementes que o mundo enfrenta actualmente". 

 

A edição deste ano, à semelhança do que aconteceu na primeira,em 2009, apresenta um conjunto de oradores de várias áreas de interesse e de elevado prestígio internacional, e que vão, certamente, contribuir com novas perspectivas sobre as temáticas em análise e promover respostas para fazer face aos desafios globais.

 

Perante o desafio lançado e a possibilidade de trazer estes debates para a  blogosfera, o Nuno Gouveia, o Jorge Nascimento Rodrigues e o autor destas linhas juntaram-se no Cables from Estoril, um blogue criado especificamente para estas conferências e que estará no Centro de Congressos do Estoril para acompanhar as várias conferências e iniciativas que decorrerão entre os próximos dias 4 e 6 de Maio.  

  

Publicado por Alexandre Guerra às 19:56
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos