Segunda-feira, 18 de Setembro de 2017

A sala onde todos falam com todos

 

1045539693.jpg

Panorâmica do anfiteatro da Assembleia Geral da ONU com os famosos murais de Fernando Léger, sobre os quais um dia o Presidente Harry Truman disse parecerem uns ovos estrelados. Foto: REUTERS/ Eduardo Munoz

 

Todos os anos, durante esta semana, Nova Iorque fervilha diplomacia, porque é quando quase todos os líderes do mundo e respectivas delegações ali se deslocam para discursar na abertura anual da Sessão da Assembleia Geral das Nações. Na verdade, é das poucas vezes que aquela imponente sala, renovada há três anos, se enche e cumpre a sua função de fórum multilateral para as 193 nações que fazem parte da ONU. Ter-se o privilégio de se estar naquele anfiteatro vazio e em silêncio, é sentir o peso da história político-diplomática do pós-II GM. Todos os líderes mundiais passam por lá.O primeiro-ministro português, António Costa, por exemplo, fará a sua estreia nestas lides na Quarta-feira, um dia depois de Donald Trump, que fará também a sua inauguração na Assembleia Geral enquanto Presidente dos EUA. Formalmente, a 72ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas iniciou os seus trabalhos no passado dia 12, mas é durante estes dias que os muitos corredores e salas do complexo projectado pelos arquitectos Oscar Niemeyer e Le Corbusier, localizado entre as ruas 42 e 48 na Primeira Avenida, se enchem de movimentações diplomáticas. Tudo acontece lá por estes dias, sobretudo reuniões bilaterais de alto nível entre chefes de Estado e de Governo, já para não falar naquilo que é conhecido como a “diplomacia de corredor” e que, muitas das vezes, faz mais pela paz no mundo do que as grandes cimeiras ou conferências. É certo que muito há a criticar nas Nações Unidas, a sua burocracia, hipocrisia, ineficácia, mas a verdade é que é o único local onde todos podem falar com todos de forma diplomática e isso já é uma grande virtude.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:52
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2012

Portugal fez bem

 

Portugal fez bem em votar favoravelmente, na Assembleia Geral das Nações Unidas, a elevação do estatuto da Palestina para “Estado observador não membro” daquela organização. Portugal foi assim um dos 138 países que subscreveram aquela proposta. Apenas nove votaram contra. Registaram-se 41 abstenções.

 

A diplomacia portuguesa, em nome da coerência com a linha que tem adoptado ao longo dos anos, na defesa de uma solução para o Médio Oriente assente no princípio dos “dois Estados”, não tinha outro caminho a tomar. Mesmo que isso implicasse (como implicou) um desalinhamento total com a posição de Washington, um aliado natural de Portugal, com o qual tem havido uma harmonia intocável em matéria de política externa.

 

A preocupação de preservar essa harmonia ficou aliás bem patente em Outubro do ano passado, quando os membros da Assembleia Geral foram chamados a votar a admissão da Palestina na UNESCO. Na altura, Portugal absteve-se, mas sem apresentar argumentos que sustentassem a sua decisão.

 

A interpretação do Diplomata é simples: Portugal encontrava-se numa encruzilhada. Se, por um lado, queria evitar desalinhar-se com Washington, por outro, Lisboa acreditava (e acredita) genuinamente na Palestina enquanto Estado independente, como parte da solução para o Médio Oriente.

 

E foi perante esta encruzilhada que Portugal acabou por abster-se no ano passado, ficando numa espécie de “meio caminho”, tentando não contrariar frontalmente Washington e ao mesmo tempo não trair totalmente a sua visão da política externa em relação à Palestina.

 

A investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI-UNL), Ana Santos Pinto, num pertinente artigo do jornal Público, chamava a atenção precisamente para a evolução da posição de Portugal em apenas um ano. E analisa ainda a importância do recente voto português na Assembleia Geral quando enquadrado nas relações político-diplomáticas com os Estados Unidos, já que desta vez se assistiu a uma bipolarização entre Lisboa e Washington.  

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:21
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012

Consequente

 

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana a discursar esta Quinta-feira na Assembleia Geral da ONU/Foto: Andrew Gombert-EPA

 

Desde os Acordos de Oslo (Setembro de 1993) que os líderes palestinianos não protagonizavam um acto diplomático tão significativo como aquele que ontem foi celebrado na Assembleia Geral das Nações Unidas. Mas ao contrário de Oslo, que o tempo e as circunstâncias remeteram para a irrelevância, a Resolução aprovada por 138 nações vai ser consequente para os desígnios da Autoridade Palestiniana.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:29
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos