Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

Elijah E. Cummings (1951-2019), o adeus de um homem de "clarividência moral"

Alexandre Guerra, 17.10.19

 

cummings (1).jpg

 

De forma algo repentina, o congressista democrata Elijah E. Cummings morreu aos 68 anos. Eleito pelo círculo de Baltimore no estado de Maryland, Cummings foi um homem de consensos e que sempre teve um enorme respeito pelos seus adversários republicanos. Nos últimos tempos, travou duras batalhas com Donald Trump, que foi bastante agressivo com Cummings, mas nem isso impediu o Presidente de ser elogioso com o congressista depois de ter tido conhecimento da sua morte.

 

Dedicado à democracia e aos direitos civis, Cummings foi, como disse a “speaker” do Congresso Nancy Pelosi, uma “voz de clarividência moral” num país que atravessa um dos períodos políticos mais conturbados da sua história. Quando fez ouvir essa mesma voz contra a política da Casa Branca em relação aos centros de detenção de migrantes ilegais, Trump ripostou de forma rude e agressiva, acusando Cummings de ser um "bully brutal" e  da sua cidade Baltimore ser um "ninho infestado de roedores" onde "nenhum ser vivo quer viver". Na resposta, Cummings foi um senhor e explanou toda a sua maneira de estar na política : "Mr. President, I go home to my district daily. Each morning, I wake up, and I go and fight for my neighbors. It is my constitutional duty to conduct oversight of the Executive Branch. But, it is my moral duty to fight for my constituents."

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.