Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

Os ensinamentos de Adam Smith ainda podem dar jeito

Alexandre Guerra, 19.01.09


Já dizia Adam Smith, na sua célebre obra "Riqueza das Nações", "que pouco mais é necessário para levar um Estado do mais ínfimo barbarismo ao mais elevado grau de opuluência, do que paz, impostos leves e uma administração razoável de justiça; tudo o resto é resultado do curso natural das coisas. Todos os governos que contrariam esse curso natural, que façam as coisas a caminhar noutra direcção ou que procuram travar o progresso da sociedade num determinado ponto, são antinaturas e, para se manterem, são obrigados a ser despóticos e tiranos". 



Estas palavras viram a luz do dia em Março de 1776, mas não deixam de fazer sentido mais de dois séculos depois. E o mais preocupante é precisamente essa constatação, porque ao fazer-se um exercício simples percebe-se o seguinte:



Em três requisitos, Portugal falha claramente dois. Está longe de ter "impostos leves" e dificilmente se pode falar em "administração razoável de justiça". Ora, resta apenas a paz que, apesar de tudo, ainda caracteriza Portugal.

 

A The Economist veio adensar ainda mais as nuvens negras que pairam sobre Portugal, reforçando a falta de confiança nas políticas reformistas e anticrise do Governo, tal como a Standard&Poors já o tinha feito.



Mas, não se julge que o problema e a responsabilidade são só do Governo. Na verdade, são de todos. É certo que uns podem ter mais protagonismo e responsabilidade que outros, mas mesmo assim, o esforço terá de ser conjunto.



É por isso que os ensinamentos de Smith, embora distantes no tempo, ainda podem servir para alguma coisa.



Por vezes, a simplicidade nos paradigmas é o melhor caminho a seguir. Mais do que as reformas estratégicas de enorme complexidade, do que os planos anticrise, do que os choques e os planos tecnológicos, do que os investimentos públicos que todos os governos tentam implementar, a resposta para o progresso poderá, por vezes, assentar em princípios mais simples, porém mais sólidos.



Este autor já se contentava se Portugal, além da paz, tivesse "impostos leves" e uma "administração razoável de justiça". Alexandre Guerra