Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

O Diplomata

Opinião e Análise de Assuntos Políticos e Relações Internacionais

Sua Majestade em defesa da BP

Alexandre Guerra, 03.12.13

 

O Diplomata escrevia há uns meses, a propósito do acidente da plataforma petrolífera Deepwater Horizon, no Gofo do México, em 2010, onde morreram 11 trabalhadores, provocando o maior desastre ambiental nos Estados Unidos, que "a BP, tal como se conhece, poderia estar condenada". E acrescentava que, "efectivamente, os custos totais em perdas previstos pela companhia estarão acima de uns astronómicos 42 mil milhões de dólares". Notava-se ainda que "nem uma empresa como a BP poderá estar em condições de assegurar tão avultados encargos, sobretudo numa altura em que a empresa enfrenta outros desafios". Na altura, o Diplomata citou ainda o Daily Mail,  porque a "questão que se coloca é saber onde a BP vai buscar o dinheiro caso os custos continuem a aumentar". 

 

Desde então, a situação da BP não tem melhorado, levando agora a empresa a pedir ajuda ao Governo britânico para que intercedesse junto das autoridades americanas para que estas revoguem a proibição decretada pela Environmental Protection Agency (EPA), no ano passado, de qualquer contrato com aquela petrolífera nos Estados Unidos.

 

Londres alega que a medida decretada pela EPA terá sido exagerada e que pode colocar em causa empregos britânicos e fundos de pensões. No documento enviado para o tribunal de recurso contra a proibição, lê-se que o "o Governo de Sua Majestade" considera "excessiva" a medida da EPA e mostra-se "preocupado" com as "consequências económicas sérias e injustificadas".

 

Ora, esta é a primeira vez que o Governo britânico intervem na defesa dos interesses da BP no âmbito deste processo, num claro sinal de que as coisas não estão bem, podendo especular-se sobre a hipótese da companhia estar numa situação bem pior do que aquela que publicamente se conhece. Aliás, o tom do documento enviado por Londres é bastante assertivo na forma como qualifica a decisão da agência federal norte-americana.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.