Terça-feira, 7 de Maio de 2013

Para os idealistas da Primavera Árabe

 

Desde a revolução egípcia em Janeiro de 2011 que a economia piorou, o tecido empresarial deteriorou-se e o desemprego aumentou, assim como o défice do país. A moeada desvalorizou e a insegurança acentuou-se dramaticamente. A falta de combustível é uma constante. Politicamente, não se pode dizer que o Egipto tenha obtido ganhos particularmente significativos, já que a lógica clientelar mantém-se e desta vez com a cobertura de eleições supostamente livres e justas.

 

Há quem diga que o Egipto está hoje muito pior do que no tempo de Hosni Mubarak. Uma afirmação compreensível, tendo em conta a forma precipitada como aquele país foi para a "rua" exigir reformas, com o apoio idealista e irrealista das chancelarias ocidentais, esquecendo-se que, num mundo que não é o ideal, por vezes, é preferível manter o status quo, assegurando a estabilidade e a previsibilidade, em vez de se acenar com um ideário democrático e liberal, muito bonito em tese, mas inconsequente na prática num país como o Egipto.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 16:23
link do post | comentar
partilhar

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos