Domingo, 9 de Agosto de 2009

Há 10 anos ascendia ao poder um desconhecido chamado Vladimir Putin

 

 

Quando a 9 de Agosto de 1999 o então já falecido Presidente Boris Yeltsin demitia o seu Governo e apresentava ao mundo uma nova figura na vida política russa, poucos eram aqueles que conheciam Vladimir Putin.

 

Aos 46 anos, Putin, ligado ao círculo de São Petersburgo, e antigo oficial do KGB (serviços secretos), assumia a chefia do novo Executivo, com a motivação manifestada por Yeltsin de que gostaria de vê-lo como seu sucessor nas eleições presidenciais de 2000.

 

Segundo alguns registos, Putin nunca terá tido a intenção de seguir uma carreira política, no entanto, teve sempre um alto sentido de servidão ao Estado. Na altura terá confessado que jamais tinha pensado no Kremlin, mas outros valores se erguiam: “We are military men, and we will implement the decision that has been made”, disse Putin.

 

Muitos viram na decisão de Yeltsin  o corolário de uma carreira recheada de erros e que conduziu o país a um estado de sítio. A ascensão de Putin era vista como mais um erro.

 

Citado pelo The Moscow Times, Boris Nemtsov, na altura um dos líderes do bloco dos "jovens reformistas" na Duma, disse que Putin causou uma fraca impressão na primeira intervenção naquela câmara. "Não era carismático. Era fraco."

 

Também ao mesmo jornal, Nikolai Petrov, do Carnegie Moscow Center, relembra que Putin deixou uma "patética imagem", sendo um desconhecido dos grandes círculos políticos, e que demonstrava ter pouco à vontade com aparições públicas, chegando mesmo a ter alguns comportamentos provincianos. 

 

Apesar disso, a Duma acabaria por aprovar a sua nomeação para a liderança do Governo, embora por uma margem mínima. É preciso não esquecer que Putin reunia apoio nalguns sectores, nomeadamente naqueles ligados aos serviços de segurança, que o viam como um homem inteligente e com grandes qualidades pessoais.

 

E, efectivamente, após ter assumido os desígnios do Governo, Putin começou de imediato a colmatar algumas das suas falhas, nomeadamente ao nível de comunicação, e a desenvolver capacidades que se viriam a revelar fundamentais na sua vida política.  

 

É o próprio Nemtsov que reconhece o facto de Putin se ter tornado mais agressivo e carismático, dando às pessoas a imagem do governante que os russos prezam.

 

Características que se encaixaram na perfeição nas explosões que ocorreram em blocos de apartamentos de três cidades russas, incluindo Moscovo, em Setembro de 1999, vitimando sensivelmente 300 pessoas, colocando o tema da segurança no topo da agenda da vida política russa. Em Outubro, como resposta, Putin dava ordem para o envio de tropas para a Chechénia.

 

Nas eleições presidenciais de 2000, Putin obteve 53 por cento dos votos, contrastando com os 71 por cento conquistados quatro anos mais tarde.

 

Hoje, dez anos volvidos após a sua nomeação para primeiro-ministro, Putin ocupa novamente este cargo, e agora, tal como então, é muito provável que o Kremlin venha a estar novamente na sua rota política.    

 

Publicado por Alexandre Guerra às 08:05
link do post | comentar
partilhar
1 comentário:
De Lusa a 9 de Agosto de 2009 às 21:12
Parabéns pelo blogue. Está muito bem concebido. A área dos assuntos políticos e das relações internacionais, interessa-me bastante. Visitarei assiduamente o seu blogue.

Já agora convido-o a visitar dois links de referência no ciberespaço e a participar neles:

http://forumpatria.com/index.php

http://mos-maiorum.blogspot.com/

Comentar post

About

Da autoria de Alexandre Guerra, o blogue O Diplomata foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos