Terça-feira, 15 de Dezembro de 2015

Leituras

 

Ukranian minister throws water in Odessa governor's face é mais do que um simples artigo do The Guardian a dar conta daquilo que seria apenas um episódio caricato. O interessante nesta história é o que está por detrás dela e que envolve o antigo Presidente da Geórgia,Mikhail Saakashvili, actualmente, imagine-se, governador da região de Odessa...na Ucrânia. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 16:26
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

As movimentações silenciosas da NATO

 

Em relação à crise que se vive na Ucrânia, é importante tentar perceber qual o papel da NATO no processo de decisão política. Oficialmente, a Aliança continua empenhada no reforço da parceria Nato-Rússia, no entanto, sabe-se que os mais recentes países da Aliança andam em manobras no Mar Negro e, no passado dia cinco, os ministros da Defesa aprovaram importantes decisões para reforçar uma eventual resposta no âmbito do famoso Artigo 5º. Uma resposta que está focada nas fronteiras oriental e a sul da Aliança, com a criação da “Spearhead Force”, uma brigada de activação rápida com 5 mil homens. Esta brigada terá apoio aéreo, marítimo e de forças especiais e poderá ser reforçada com mais duas brigadas. A NATO garante que a sua força de reacção rápida pode chegar aos 30 mil homens. Além disso, foram instaladas seis unidades de comando e controlo na Bulgária, Estónia, Lituânia, Letónia, Polónia e Roménia. Embora silenciosa, a NATO parece estar a movimentar-se no terreno, na antecipação de uma eventual intervenção militar na Ucrânia.

 

tags: ,
Publicado por Alexandre Guerra às 11:44
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2015

Lições da História

 

Lá mais para o final do ano assinalam-se os 20 anos sobre o fim das barbáries que se cometeram nos Balcãs, nomeadamente na Bósnia Herzegovina. Uma violência sectária que a Europa julgaria nunca mais voltar a viver depois da II GM. Mas, enganou-se, e às portas do século XXI, o conflito na antiga Jugoslávia confrontou os europeus com uma realidade de terror. Na altura, os líderes europeus demoraram a reagir e a comunidade internacional acabou por intervir militarmente de uma forma tão incompetente, que os próprios capacetes azuis no terreno se tornaram no símbolo do cinismo e da incoerência da medidas tomadas nas chancelarias.Tudo isso foi estudado e bem documentado. Ninguém, pelo menos com responsabilidades de liderança e militares, pode dizer que não soube o que aconteceu.


Mas, olhando hoje para o que se está a passar na Ucrânia, o que acontece é que os líderes europeus, pelo menos aqueles que contam, não parecem estar muito empenhados em retirar ensinamentos do que aconteceu nos Balcãs. E as opiniões públicas dos vários países também andam distraídas com os seus afazeres, e pouca atenção têm dado ao conflito interno que assola uma parte da Ucrânia. Muitos pensarão que a Ucrânia fica lá, bem longe, mas não fica. Fica tão longe ou tão perto, como ficava a Bósnia da Europa de então.

 

 

No Man´s Land de Danis Tanovic, 2001 (Óscar para melhor filme em língua estrangeira), uma das melhores caricaturas da intervenção da ONU no conflito da Bósnia

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:44
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2014

A importância do factos

 

0,,17978849_303,00.jpg

 

Qual é a verdadeira importância da presença de uma organização como a OSCE num terreno de conflito como o do leste da Ucrânia?  Num conflito em que é difícil encontrar fontes fidedignas e onde a actuação da imprensa é muito limitada, os homens da OSCE são dos poucos que recolhem factos que ajudam a neutralizar a propaganda de ambos os lados.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Desta vez, os líderes europeus tiveram alguma sorte

 

No meio de toda esta crise entre a Ucrânia e a Rússia, os líderes europeus têm pelo menos uma razão para respirar de alívio: o início da Primavera. Com a chegada do bom tempo e a menor necessidade dos europeus recorrerem ao consumo de gás natural para aquecimento, o Kremlin vê enfraquecer uma das suas principais "armas" de pressão político-diplomática.

 

O presidente Vladimir Putin já veio avisar a Europa, através de uma carta enviada os seus líderes, que poderão haver cortes no fornecimento de gás natural, tendo em conta os atrasos de pagamentos da Ucrânia à fornecedora Gazprom.

 

São avisos (leia-se ameaças) que a Europa deve levar a sério, é certo, até porque no passado já houve crises energéticas, precisamente, por causa do corte do abastecimento de gás natural por parte da Rússia. No entanto, o efeito pretendido por Putin não terá os mesmos resultados se esta situação estivesse a acontecer em pleno pico do Inverno, como foi o caso das crise anteriores.

 

Desta vez, e apesar de todos os erros que a Europa tem cometido neste processo, os líderes europeus tiveram alguma sorte com os timings desta crise. Para já, têm alguns meses de menor dependência energética da Rússia, os quais poderão aproveitar para resolver ou, pelo menos, estabilizar a situação dos pagamentos entre a Ucrânia e a Gazprom.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:06
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 2 de Abril de 2014

Uma entrevista desconcertante

 

Victor Yanukovych deu hoje uma entrevista à Associated Press e à NTV no mínimo desconcertante. Diz o ex-Presidente deposto da Ucrânia, e que se refugiou na Rússia com a cobertura do Kremlin, que "errou" ao pedir às forças russas para entrarem na Crimeia. Vai mais longe ao considerar a anexação daquele território na Rússia como uma "tragédia". E acrescenta ainda que se ele se tivesse mantido no poder em Kiev nada disto teria acontecido e a Crimeia continuaria a fazer parte da Ucrânia. Uma situação que, aliás, Yanukovych esperava ver reposta.

 

Ora, assim à primeira vista dir-se-ia que esta entrevista desafia a lógica de alinhamento político entre Yanukovych e o Presidente Vladimir Putin até aqui percepcionada pelos analistas.

 

Perante este novo quadro, tentam encontrar-se explicações racionais. Por exemplo, David Stern, correspondente da BBC News em Kiev, coloca as coisas do seguinte modo: Ou as declarações de Yanukovych são uma "estratégia engenhosa" para impulsionar a sua reputação junto dos seus conterrâneos, ou então, uma "asneirada de proporções gigantescas".

 

Publicado por Alexandre Guerra às 17:57
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 31 de Março de 2014

Darth Vader desafia a Ucrânia a passar para o "Dark Side"

 

Darth Vader a entrar na Câmara Municipal da cidade ucraniana de Odessa/Foto: AFP

 

A campanha para as eleições presidenciais ucranianas do próximo dia 25 de Maio promete ser animada. Este fim de semana ficou a conhecer-se um inusitado candidato.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:03
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 5 de Março de 2014

A importância da Crimeia na génese do jornalismo de guerra

 

A famosa e icónica (e também mais polémica) foto de Roger Fenton, no "Vale da Sombra da Morte" (Crimeia), supostamente tirada após um bombardeamento de três horas sobre os aliados

 

A propósito dos acontecimentos dos últimos dias na Ucrânia, o autor destas linhas foi recuperar os apontamentos que tinha dos tempos de universidade sobre a Guerra da Crimeia de 1853-56, até porque estava a preparar um post sobre o tema para outro poleiro. E uma das curiosidades que já estava esquecida era o facto daquele conflito ter sido o primeiro a ter uma cobertura mediática verdadeiramente efectiva e diária, através de artigos e fotografias enviadas pelos "correspondentes de guerra" William Russell (1821-1907) e Roger Fenton (1819-1869). 

 

Na verdade, não se trata de uma curiosidade, mas sim de um elemento muito importante naquilo que viria a ser percepção dos povos em relação à evolução diária dos conflitos. A figura do "correspondente de guerra" veio abrir "janelas" (mais tarde seria em tempo real) para os palcos de conflito, permitindo à opinião pública ficar informada sobre os acontecimentos. 

 

No caso da Guerra da Crimeia de 1853-56, o jornalista William Russel, enviado do The Times, e o fotógrafo Roger Fenton, fizeram história ao relatarem diariamente para todas as nações envolvidas no conflito os acontecimentos na pensínsula da Crimeia. Fenton, que se tornou mundialmente famoso precisamente com a cobertura dessa guerra, fez um trabalho exaustivo e extraordinário na cobertura do conflito.

 

Ao contrário de Russel, Fenton foi enviado para a Crimeia por uma editora de Manchester com o objectivo de documentar o conflito. Vendo aqui uma oportunidade para tranquilizar a opinião pública, o Governo britânico apoiou esta iniciativa,já que se esperava uma abordagem mais artística e, de certa forma, parcial da cobertura. No entanto, como mais tarde se viria a constatar, os ecos da guerra acabaram por ter um efeito negativo no Executivo, levando mesmo à sua queda (provavelmente, não há casos de conflitos pós-modernos que sejam benéficos a médio prazo nas sondagens para os governantes envolvidos).

 

William Russell, correspondente do The Times, fotografado por Roger Fenton

 

Fenton desenvolveu o seu trabalho no terreno com grande sacríficio físico e, apesar de não ter sido um trabalho "imparcial", foi um registo histórico e comunicacional de grande valor. Acabou por ser considerado o primeiro trabalho de fotojornalismo de guerra.

 

Também William Russell, jornalista do The Times, é considerado um dos primeiros "correspondentes de guerra", devido ao trabalho que desenvolveu no conflito da Crimeia. Foram quase dois anos de cobertura no terreno. Uma nota curiosa: terá sido durante o relato ao cerco dos aliados ocidentais a Sebastopol que Russell reproduziu o nome de uma operação militar que viria a tornar-se famosa, "the thin red line".

 

Num artigo de opinião do New York Times, de há três anos, Louis P. Masur director do programa de Estudos Americanos no Trinity College (CT) e autor de “The Civil War: A Concise History”, escrevia que Russell tinha regressado a Inglaterra como um "herói" após o fim da guerra. E acrescentava o seguinte: "His dispatches brought the war home to readers. He wrote with clarity and vitality about the grandeur and the horror of battle."

 

Já mais recentemente, no The Guardian, Roy Greenslade referia-se a Russell como o "pai do jornalismo de guerra" e que, como tal, também experimentou os problemas que os seus seguidores doravante iriam sentir: "Russell's problems as a war reporter in the Crimea prefigured those that all war reporters have since faced - official hostility, questioning of his honesty and accusations of treachery (for sapping morale and revealing information useful to the enemy)." 

 

A coragem e o espírito de sacrifício de Russell e Fenton foram factores determinantes para que o seu trabalho pudesse chegar às várias opiniões públicas dos países aliados envolvidos no conflito e, assim, abrir um novo período no jornalismo e na comunicação em tempo de guerra.

 

*Texto publicado originalmente no PiaR

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:09
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 4 de Março de 2014

A escalada da Guerra da Crimeia de 1853-56 e as semelhanças com a crise actual

 

Tropas aliadas no Planalto de Sebastopol entre 1855 e 56/Foto: Fenton Roger (1819-1869)

 

O Ocidente e os seus líderes sempre tiveram alguma dificuldade em ler e compreender o espírito russo e as acções dos seus governantes. É uma evidência histórica que tem conduzido a momentos de tensão e, por vezes, de confrontação. Talvez essa dificuldade surja do facto do modelo de análise utilizado não ser o mais correcto para se poder enquadrar ou antecipar comportamentos e decisões de líderes russos. 

 

Na verdade, qualquer olhar sobre a Rússia deve ser feito com uma perspectiva histórica que remonte, pelo menos, ao século XIX. De certa maneira, foi com base nesse modelo que Henry Kissinger fez a sua leitura realista das relações internacionais durante a Guerra Fria. A sua obra "Diplomacia" reflecte precisamente isso, ou seja, compreender as atitudes do império soviético do século XX à luz de um paradigma de actuação da Rússia do século XIX.

 

É verdade que a actual crise na Ucrânia, mais concretamente na Crimeia, irrompeu sem que ninguém a tivesse visto chegar, no entanto, não pode ter surpreendido todos aqueles que têm um conhecimento mínimo da história imperialista russa desde o século XIX e, sobretudo, da alma do seu povo.

 

 

Vejam-se os acontecimentos que levaram à Guerra da Crimeia de 1853-56. O pretexto teve a ver com a distribuição dos lugares santos entre as comunidades católica e ortodoxa do Império Otomano, mas a questão principal era o antagonismo entre as potências ocidentais e a Rússia quanto às zonas de influência a Oriente da Europa. Perante um Império Otomano que o Czar Nicolau I considerava moribundo, a Rússia queria assegurar protectorados sobre os povos cristãos ortodoxos que ainda estavam sob a governação do Sultão. 

 

E para isso, Moscovo procedeu a uma estratégia de pressão e de intromissão forçada nos assuntos religiosos ortodoxos no Império Otomano. A tal ponto que o Sultão, aconselhado pelas potências ocidentais, rejeitou a concessão a Moscovo das competências da Igreja Ortodoxa, porque isto na prática significava que a Rússia ficaria com o controlo dos privilégios espirituais e administrativos de toda a comunidade ortodoxa da Sublime Porta. 

 

Perante isto, o Czar fez um ultimatum a Constantinopla que acabou por escalar a situação, com as potências ocidentais a deslocarem as suas esquadras para o Mar da Mármara. Daí até à declaração de guerra por parte do Sultão à Rússia foi um instante. Um gesto seguido pelas potências ocidentais. Estas, defendiam a integridade do Império Otomano. A Rússia, por seu lado, queria impor os seus protectorados.

 

No palco do conflito, a frota russa do Mar Negro destruía a esquadra Otomona ao largo de Sinope o que levou à movimentação dos navios de guerra europeus para aquele mar. De forma muito resumida, as potências europeias acabaram por cercar Sebastopol (Crimeia), conseguindo a sua "queda" em Setembro de 1855. A 16 de Janeiro de 1856 a Rússia era obrigada a aceitar a paz e a 30 de Março era assinado o Tratado de Paris. 

 

Não se pretende agora analisar as consequências daquele tratado nos destinos da Europa, mas, sim, todo o processo que conduziu ao conflito, já que encontra muitos paralelismos com a situação que se vive nos dias de hoje. Tais como:

 

- Perfil imperialista da Rússia 

- Projecção da influência russa para regiões com povos eslavos e cristãos ortodoxos.

- A exploração de motivos menores para criar um pretexto de intervenção militar ou, até mesmo, um "casus belli".

- Bipolarização do conflito entre a Rússia e potências ocidentais.

- O palco do conflito é normalmente para lá do "espaço vital" dos beligerantes. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:45
link do post | comentar
partilhar

Portugal e Espanha a salvo de um eventual corte de gás natural vindo da Rússia

 

Portugal e Espanha são dos poucos países da Europa que não dependem do gás natural da Gazprom. Estes dois países são fornecidos pelo gasoduto do Norte de África ou então através de transporte marítimo, mas neste caso de GNL (Gás Natural Liquefeito).

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:29
link do post | comentar
partilhar

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos