Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

Contagem decrescente

 

Quem ler a imprensa internacional de hoje perceberá claramente que Washington e Londres iniciaram a contagem decrescente para uma intervenção militar na Síria. Resta saber em que moldes.

 

tags: ,
Publicado por Alexandre Guerra às 18:33
link do post | comentar
partilhar
Sábado, 23 de Junho de 2012

Um dia destes...

 

Um dia destes os "jogos de guerra" no Médio Oriente ainda acabam mesmo mal.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:38
link do post | comentar
partilhar
Sábado, 7 de Abril de 2012

É importante não esquecer

 

11 541 cadeiras vazias, ontem, na rua Marechal Tito em Sarajevo, é uma homenagem às vidas que se perderam no cerco àquela cidade entre Abril de 1992 e Dezembro de 1995

 

Nos dias que correm os arautos da desgraça só falam na falência do projecto europeu e vêem na actual crise económica a "mãe" de todas as desgraças, mas muitos já parecem ter esquecido que foi apenas há vinte anos que se iniciou uma guerra na Europa que matou mais de 100 mil pessoas e provocou dois milhões de refugiados. Desde a II Guerra Mundial que o Velho Continente não via tais atrocidades, como aquelas que se viveram no território da antiga Jugoslávia.

 

Pois foi graças a esse mesmo projecto europeu, agora tão criticado, que foi possível trazar alguma estabilidade àquela região. E no momento em que se assinalam os 20 anos do início do conflito, países como a Sérvia, Croácia, Bósnia Herzegovina ou Macedónia vêem na Europa a inspiração para o seu futuro.  

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:55
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2011

"Gamers" podem ficar descansados porque não correm risco de serem acusados pelo TPI

 

 

Os "gamers" já podem estar mais tranquilos porque não correm o risco de virem a sentar-se no banco dos réus do Tribunal Penal Internacional (TPI) sob a acusação de terem violado as Convenções de Genebra nos vários videojogos que simulam combates de guerra em diferentes cenários. O Comité Internacional da Cruz Vermelha informou hoje que "violações sérias das leis da guerra só podem ser cometidas em situações de vida real". 

 

tags: ,
Publicado por Alexandre Guerra às 16:38
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

Quando os americanos fizeram da música de Hendrix o hino da guerra do Vietname

 

 

Escrita por Bob Dylan e lançada originalmente em 1967, a música “All Along the Watchtower” nunca teve na sua génese qualquer ideal bélico ou de intervenção política.

 

Bastaram, no entanto, alguns meses para Jimi Hendix transformar aquela música num autêntico hino da guerra do Vietname. Mais “rasgada” e “eléctrica”, Hendrix edita a sua versão de “All Along the Watchtower” logo em 1968, celebrizando-se imediatamente, nomeadamente junto dos milhares de soldados americanos estacionados no Vietname. O que não é de estranhar, atendendo à naturalidade com que os primeiros refrões da música se adaptavam ao estado de espírito daqueles homens atolados no cenário de guerra vietnamita e sem fim à vista: “There must be some kind of way out of here, Said the joker to the thief, There’s too much confusion, I can’t get no relief.”

 

1968 foi dos anos mais difíceis da guerra do Vietname, marcado sobretudo pela Ofensiva Tet, a 30 de Janeiro, com homens do Exército do Vietname do Norte, apoiados pelos vietcongs (vietnamitas comunistas), a lançarem incursões nas cidades e províncias do Sul do país.

 

Embora em termos militares, as forças americanas com o apoio dos soldados sul-vietnamitas tenham conseguido, de certa forma, ripostar com alguma eficácia, a verdade é que a Ofensiva Tet teve um grande impacto psicológico nos Estados Unidos.

 

Apesar dos vietcongs sofrerem aproximadamente 30 mil baixas e das forças sul-vietnamitas terem ganho ânimo, esta Ofensiva representou um desgaste muito grande na liderança americana e representou um ponto de viragem na guerra do Vietname, obrigando na altura o Presidente Lyndon Johnson a anunciar que não se recandidataria.

 

Desde finais de 1967 que a situação começava a ser insustentável no seio da opinião pública americana. As baixas contavam-se às centenas todas as semanas e o custo anual da guerra era de 30 mil milhões. Nos Estados Unidos, os protestos anti-guerra aumentam e ficam cada vez mais violentos, com o ambiente político a tornar-se explosivo, depois dos assassinatos do histórico líder dos direitos civis, Martin Luther King, a 4 de Abril de 1968, e de Robert F. Kennedy, na altura candidato presidencial pelo Partido Democrata, a 5 de Junho desse mesmo ano.

 

Foi nesta conjuntura que os acordes da Fender Strato de Hendrix se passaram a ouvir nos muitos rádios espalhados pelo Sul do Vietname. “All Along the Watchtower” rapidamente passou a fazer parte do quotidiano da guerra, mas também da política americana.

 

Já com Richard Nixon na presidência dos Estados Unidos (eleito em Novembro de 1968), a 25 de Janeiro de 1969 iniciam-se negociações em Paris para o estabelecimento de tréguas, sendo que a 8 de Julho começa a retirada das forças americanas.

 

O conflito mantém-se no terreno, havendo mesmo uma intensificação de bombardeamentos americanos em 1972 contra o Vietname do Norte, permitindo que no Verão desse mesmo ano a situação estabilizasse para que as últimas tropas terrestres americanas abandonem o terreno. A 27 de Janeiro de 1973 assina-se o acordo de paz entre os Estados Unidos e o Vietname do Norte.

 

Ao recordar esta parte da História é impossível fazê-lo sem ser ao som de “All Along the Watchtower”, o single do Electric Ladyland, o terceiro e último álbum de Jimi Hendrix a ser produzido e lançado enquanto ainda era vivo.

 

*Com um dia de atraso, este é o primeiro texto de uma rubrica anunciada neste espaço na semana passado.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 20:43
link do post | comentar | ver comentários (2)
partilhar
Segunda-feira, 15 de Novembro de 2010

Lições de história que Obama e Cameron devem ter bem presentes

 

 

Estava-se no dia 13 de Novembro de 1986 quando o então Presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev, traçou um cenário pessimista relativo à intervenção militar do seu país no Afeganistão. “Estamos a lutar há anos e se não mudarmos de estratégia estaremos aqui mais 20 ou 30”, disse o líder durante uma reunião do Politburo.

 

Corria então o sétimo ano de guerra e os 110 mil soldados soviéticos continuavam sem conseguir derrotar os mujahedin. Oito mil homens do Exército Vermelho já tinham morrido e 50 mil ficado feridos. Do lado afegão os mortos contavam-se às centenas de milhar.

 

Perante este cenário, Gorbachev acrescentou ainda: “Nós não estamos a conseguir aprender a forma de travar a guerra. Nós tínhamos definido um objectivo: promover um regime amistoso no Afeganistão. Mas, agora, temos que acabar com este processo o mais rápido que conseguirmos.”

 

Palavras que, de certa forma, se assemelham àquilo que o Presidente americano Barack Obama e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disseram recentemente sobre o actual conflito no Afeganistão.

 

O Diplomata não gosta de comparações entre diferentes realidades históricas, no entanto, já ilações devem ser tiradas do envolvimento soviético no Afeganistão durante os anos 80.

 

O historiador Victor Sebestyen aconselha mesmo, num artigo de opinião na edição de Novembro da revista Prospect, que os actuais líderes americano e britânico analisem com atenção os mais recentes documentos disponibilizados por Moscovo a investigadores russos e americanos sobre os últimos anos da era soviética e o seu envolvimento no Afeganistão.

 

É certo que os contornos são diferentes e qualquer comparação arrisca-se a ser um exercício desvirtuado. Porém, há algo em comum entre estes dois conflitos no que respeita às motivações e dilemas das lideranças políticas.

 

Então, tal como hoje, Gorbachev era um líder recém-chegado ao poder e herdava nas mãos um conflito prolongado, oneroso e sem fim à vista, tal como aconteceu com Obama e Cameron.

 

Quando em Março de 1985 ocupou o Kremlin, Gorbachev disse de forma convicta que a retirada do Afeganistão seria a sua prioridade. Uma declaração feita numa perspectiva política e dirigida à opinião pública, mas desligada da verdadeira realidade do conflito. Gorbachev rapidamente percebeu que a tarefa a que se propôs era praticamente impossível de concretizar sem que com isso a União Soviética “perdesse a face”.

 

Um dilema com o qual Obama e Cameron se viram confrontados mal chegaram aos seus gabinetes, obrigando-os a refrear os ímpetos de debandada do Afeganistão.

 

A retirada soviética do Afeganistão sem qualquer ganho no terreno teria sempre consequências desastrosas para o império. Quando em Fevereiro de 1989 os últimos soldados soviéticos abandonam o Afeganistão deixavam para trás 15 mil camaradas mortos.

 

Política ou estrategicamente a União Soviética nada ganhara com a intervenção no Afeganistão, tendo pelo contrário, sido humilhada e ferida de morte na projecção da sua imagem enquanto super potência militar.

 

Dois anos depois e algumas revoluções pelo meio dava-se a implosão do império soviético e o desmembramento da URSS. O desastre no Afeganistão não foi a única causa do fim da Guerra Fria, mas foi certamente o catalisador que precipitou a derrocada do Pacto de Varsóvia e da URSS.

   

Publicado por Alexandre Guerra às 07:33
link do post | comentar
partilhar
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Do glamour de Top Gun ao poder aéreo táctico na versão “low cost”

 

Piloto aos comandos de um F-16 Falcon

 

Na Era dos conflitos assimétricos, materializados no terrorismo, na pirataria, nos movimentos separatistas, nas acções criminosas de grupos organizados, nas guerras cibernéticas, entre outros, as formas convencionais de combate entre inimigos parecem estar cada vez mais desajustadas à realidade. Os portentosos embates de infantaria, as espectaculares batalhas marítimas, os glamorosos combates aéreos, fazem, de uma forma genérica, parte do passado.

 

Como dizia recentemente a The Economist, os caças supersónicos podiam ser “sexy” no tempo em que Tom Cruise estava aos seus comandos no filme Top Gun, mas nos dias que correm aparelhos como os ágeis F-14 Tomcat (Grunman Aerospace Corporation), os lindíssimos F-16 Falcon (General Dynamics/Lockeed Martin) ou os ameaçadores Mig 21 (Mikoyan) deixaram de ser tão procurados e venerados.

 

O que está na moda neste momento é o poder aéreo numa versão “low cost”, numa lógica de regresso à velha tecnologia das avionetas de hélice com propulsão de turbina a gás.

 

Aparelhos que possam custar apenas 2 milhões de dólares, ao invés dos 40 milhões de um F-16; Aparelhos que numa hora custem apenas 500 dólares de combustível, contrastando com os cerca de 10 mil de um caça; Aparelhos que possam aterrar em qualquer sítio e não estejam dependentes de bases aéreas ou de porta-aviões; Aparelhos que não exijam conhecimento mecânico particularmente especializado em termos de manutenção.  

 

A aeronave Super Tucano construída pela Embraer

 

Além disso, estes aviões de guerra “low cost” já podem suportar muita da alta tecnologia de navegação e de detecção que os caças têm, e são ideais para operações de vigilância e de transporte de bombas. São mais difíceis de abater, devido à sua simples composição em termos de tubagens e de circuitos electrónicos, que os torna menos vulneráveis a rajadas de metralhadora.

 

Alguns países com orçamentos mais reduzidos na área da Defesa estão a investir nesta solução, e até mesmo os Estados Unidos reconhecem o valor deste tipo de aparelho e abordagem, estando a Força Aérea norte-americana a ponderar a aquisição de 100 avionetas e a Marinha a compra do avião Super Tocano à empresa brasileira Embraer.

 

Citado pela The Economist, Robyn Read, especialista do Air Force Research Institute, que pilotou este tipo de aviões no Cambodja nos anos 70, lembra que estes aparelhos podem também ter altifalantes, essenciais para se comunicar com eventuais alvos antes da decisão de atacá-los. Porque, como Winston Churchill dizia, “já que se tem que matar um homem, não custa nada ser-se educado”.

 

Seja como for, e apesar de uma desvalorização do poder aéreo táctico, os governos não deixaram de investir nos caças supersónicos, incluindo Portugal, dotado de uma esquadra de F-16 estacionada na Base Aérea de Monte Real.

 

Mig-21 da Força Aérea indiana

 

Nas últimas duas décadas, os Estados Unidos envolveram-se num projecto para construir aquele que seria o mais extraordinário caça até à data.

O F-22 Raptor, introduzido em 2005, foi desenvolvido pela Lockeed Martin e pela Boeing, e acabou por revelar-se um sorvedouro de dinheiro, gerando muitas críticas, tendo sido decidido pela administração americana que a sua produção iria terminar no final de 2011, com 187 caças.

 

O seu elevado custo de venda, na ordem dos 160 milhões de dólares por unidade, a proibição de exportação daquele avião por uma questão de segurança nacional e a ausência de missões reais de combate ar-ar, fizeram do F-22 um luxo insustentável para o Departamento de Defesa americano.

 

Eurofighter Typhoon a manobrar em "afterburner"

 

Também a Europa se aventurou nos últimos anos num grandioso projecto, com a produção do Eurofighter Typhoon, um caça de sonho, considerado único na sua classe.

 

Construído pelo consórcio Eurofighter GmbH (Alenia Aeronautica, BAE Systems e EADS), o caça europeu é um programa ambicioso, que dá emprego directa e indirectamente a 100 mil pessoas, no entanto, teve contornos mais moderados e realistas, com cada unidade a custar cerca de 60 milhões de euros e com a sustentabilidade comercial do projecto assegurada.

 

O Eurofighter está operacional desde 2003, com cerca de 200 unidades, estando em carteira mais de 400 encomendas, embora algumas destas estejam a ser revistas por causa das fortes restrições financeiras com que alguns governos se confrontam.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

EUA falam em "tentativa desesperada", mas a coordenação dos ataques revela o contrário

 

Atentado suicida em Kut, 160 km a sudeste de Bagdad, provocou 19 mortos

 

Dias depois de Washington ter anunciado a retirada da última brigada de “combate” do Iraque, deixando no terreno cerca de 50 mil soldados com funções de apoio e de formação às forças iraquianas, mas também de contraterrorismo e protecção, a conjuntura naquele País mantém-se violenta, apesar do tom optimista veiculado pela administração americana e altos responsáveis militares sobre a sua evolução.

 

Hoje, vários ataques coordenados em diferentes cidades iraquianas provocaram a morte de mais de 50 pessoas. As suspeitas recaem sobre a al-Qaeda, visto que só uma estrutura organizada conseguiria levar a cabo uma operação deste nível, com atentados em cidades de todo o País, muitos deles suicidas.

 

O porta-voz do Exército americano, o major general Stephen Lanza, classificou estes ataques como uma “tentativa desesperada” da al-Qaeda para minar os esforços das forças de segurança iraquianas. Declarações no mínimo ingénuas e falaciosas, porque a operação da al-Qaeda foi para além de uma mera “tentativa desesperada”.

 

Primeiro, tratou-se da concretização de um ataque que se materializou num elevado número de mortes, abalando claramente a confiança das estruturas de segurança e da sociedade em geral. Ou seja, algo mais do que uma “tentativa”.

 

Por outro lado, o Diplomata não concorda com a interpretação do major general Stephen Lanza quando este diz tratar-se de uma acção “desesperada” por parte da al-Qaeda, já que uma das ilações a retirar dos ataques de hoje é precisamente o seu elevado nível de organização e de amplitude.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 22:53
link do post | comentar
partilhar
Domingo, 22 de Agosto de 2010

Xe Services obrigada a pagar multa pelas violações dos mercenários da ex-Blackwater

 

Ao ver o filme de The Expendables (Mercenários, na versão portuguesa), o autor destas linhas relembrou algumas das histórias verídicas de mercenários ao serviço de Estados que nos últimos anos têm vindo a público.

 

Blackwater, agora rebaptizada de Xe Services, foi dos primeiros nomes que veio à memória. Empresa de “segurança privada” (leia-se mercenários com ordenados mensais de muitos milhares de euros a actuar no Iraque) que durante anos actuou de forma camuflada até ao momento em que vários dos seus elementos se viram envolvidos numa situação de conflito que resultou na morte de vários iraquianos.

 

A Blackwater, agora Xe Services, notabilizou-se pelos seus serviços no Iraque após a invasão deste pelas forças norte-americanas em 2003. Estes mercenários foram preencher os vazios de segurança que as forças militares dos Estados Unidos e de outros países não podiam preencher nem estavam mandatadas para tal.

 

Protecção de edifícios ou estruturas, de individualidades, de complexos estratégicos, formação paramilitar, foram algumas das funções atribuídas aos homens da então Blackwater. Durante os primeiros anos a sua presença passou praticamente despercebida aos decisores políticos em Washington e à imprensa internacional. No entanto, assim que começaram a surgir os primeiros casos de abusos por parte da Blackwater, a cúpula política, nomeadamente o Pentágono e o Departamento de Estado, começou a ter um problema para resolver.

 

Entre as várias acusações de que a Blackwater foi alvo - tais como de exportação ilegal de armas para o Afeganistão, de propostas não autorizadas para treinar tropas no sul do Sudão, de tentativa de corrupção a funcionários iraquianos - foi o acontecimento de 16 de Setembro de 2007, no qual paramilitares da Blackwater mataram 17 civis e fizeram 27 feridos numa praça em Bagdad.

 

Este foi o momento de viragem na história daquela empresa, que viria a culminar no seu afastamento do Iraque e na sua extinção para dar lugar à Xe Services em 2009 e que, segundo uma informação avançada este Sábado pelo Departamento de Estado, terá de pagar uma multa de mais de 40 milhões de dólares ao Governo americano pela violação de várias leis.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 22:07
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

Do prenúncio às primeiras mortes no Sul do Líbano passaram apenas alguns dias

 

O Diplomata escreveu há uns dias isto e hoje a notícia é esta.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 19:28
link do post | comentar
partilhar

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos