Segunda-feira, 5 de Setembro de 2016

Duas notas sobre Espanha e Reino Unido

 

1. Quando, há poucos anos, Espanha viu surgir novos (em idade e notoriedade) actores políticos, fiquei bastante expectante em relação ao que eles trariam de refrescante para a cena política do país vizinho. Pedro Sánchez, Albert Rivera e Pablo Iglesias, todos eles entre os 35 e 45 anos, portanto jovens para os cânones da política, davam ares de tempo novo, de sofisticação, libertos das amarras da velha e bafienta partidarite que, em certa medida, tinha Mariano Rajoy como a sua personificação. Sánchez e Rivera, ambos com boa imagem e ar de bons rapazes, tinham trunfos para ir buscar uma parte do eleitorado flutuante "mainstream" ao PP. Já Iglesias, uma espécie de Catarina Martins numa versão mais tolerável, representava as novas tendências sociais, muitas delas de protesto, tinha muito potencial para ir recolher votos junto do eleitorado mais jovem e urbano (como aliás o chegou a fazer). Este "tríptico" tinha tudo para "agarrar" a Espanha e relegar o PP de Mariano Rajoy para uma oposição minoritária. Mas, chegados até aqui, com a Espanha num impasse político, duas legislativas no espaço de poucos meses e a caminho das terceiras eleições num intervalo de um ano, não só Rajoy continua no poder, como reforçou a sua votação nas últimas eleições, face à perda dos seus principais opositores. Sánchez, Rivera e Iglesias não conseguiram imprimir uma dinâmica regeneradora e vitoriosa e deixaram-se enveredar pelos piores males da política: a vaidade, a arrogância, a cegueira e, sobretudo, e perda de noção pelo interesse maior, que é a Espanha e os seus cidadãos. Obviamente, que o comportamento de cada um dos três merece uma análise mais detalhada e cuidada, já que existem importantes nuances entre Sánchez, Rivera e Iglesias, mas no final de contas, é Rajoy, aquele político que durante anos foi gozado e que muitos diziam que jamais chegaria a chefe do Governo, que continua a merecer a confiança da maior parte dos espanhóis. Dá que pensar.     

 

2. Uma solução para a problemática do Brexit é aquilo que proponho a Theresa May, primeira-ministra britânica, e que foi, juntamente com David Cameron, defensora da manutenção do Reino Unido na União Europeia. May já veio dizer (e bem) que não irá realizar um segundo referendo e que pretende cumprir com a vontade da maioria dos ingleses que votaram no referendo, mas já alertou que vai ser um processo longo e demorado, com as primeiras fricções a surgirem entre ela e Boris Johnson, chefe da diplomacia, e o principal rosto do Brexit. Após alguma reflexão, vislumbra-se uma saída para toda esta questão e que, por um lado, permitiria legitimar popularmente o poder de May e, por outro, abrir uma oportunidade democrática para que o processo pudesse parar. E que via seria essa? Simples, a de eleições antecipadas. Embora a tradição democrática inglesa veja com normalidade a sucessão de chefes de Governo sem irem a eleições (aconteceu com Churchill em 1940), nos dias que correm seria perfeitamente aceitável que May quisesse (ou venha a querer) legitimar o seu cargo com o voto popular. E caso isso viesse a acontecer, May apresentar-se-ia aos eleitores com o seu programa, o qual teria como prioridade inverter o processo de Brexit. Perante este cenário, ninguém poderia criticar May por querer ir a eleições e muito menos por ter no seu programa uma convicção que sempre defendeu. E nestas eventuais eleições, não havia qualquer impedimento que um outro candidato conservador defensor do Brexit se pudesse apresentar. Boris Johnson poderia fazê-lo. Tal como todos os outros candidatos dos diferentes partidos estariam livres de o fazer, defendendo ou não o Brexit. E aqui, os eleitores tinham duas escolhas: ou dariam a vitória a um candidato que defendesse o Brexit e tudo seguiria o seu curso; ou então dariam o seu voto a May ou a um mais que provável candidato trabalhista que se oporia à saída do Reino Unido. E se este último cenário acontecesse, alguém teria coragem de ir contra a vontade da maioria dos eleitores? Dificilmente, até porque aquilo que é apresentado e legitimado em eleições democráticos teria, à partida, mais peso político do que algo que foi referendado. 

 

Publicado originalmente no Delito de Opinião.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 13:15
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016

Tribunal Supremo sutura a "mais grave ferida do capitalismo em Espanha"

 

Em Portugal, tivemos o BPP, o BPN, o BES, o BANIF, casos que demonstraram a falência das instituições reguladoras, nomeadamente do Banco de Portugal e da CMVM. Em Espanha, o caso do Bankia representou igualmente um rude golpe na credibilidade da Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV) e do Banco de España. Além disso, estes exemplos revelaram uma desastrosa e nefasta intervenção do poder político, no entanto, parece haver agora uma grande diferença entre os dois países: a justiça espanhola pronunciou-se de forma dura e inequívoca em defesa dos accionistas que foram levados ao engano a subscreverem acções daquela instituição (by the way, há aqui muitas semelhanças com o que aconteceu com o último aumento de capital do BES. Conhece-se alguma decisão judicial???)

 

É precisamente sobre essa decisão histórica em Espanha que fala o editorial de hoje do El Mundo, La condena a Bankia prueba el fracasso de las instituciones. Também no El País, no artigo de opinião, Fumata blanca para los accionistas de Bankia, pode ler-se o seguinte: "El Tribunal Supremo acaba de tomar una decisión histórica que cierra —aplicando puntos de sutura que dejaran una marcada cicatriz— la más grave herida contemporánea del capitalismo en España."  

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:53
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2015

Interpretações

 

1447063160_876936_1447071366_portada_normal.jpg

Deputados do PP, esta manhã no Parlamento catalão, ostentando as bandeiras da Espanha e da Catalunha, em sinal de união/Foto: M.Minocri/El País 

 

Lá, como cá, o Junts pel Sí e o CUP fizeram a sua própria interpretação dos resultado das eleições autonómicas de 27 de Setembro, para os auto-legitimar a votarem no Parlamento catalão uma resolução que iniciasse o processo de declaração de independência da Catalunha. É importante relembrar que aquelas duas formações tinham encarado as últimas eleições como um autêntico plebiscito ao seu plano soberanista, defendido acerrimamente pelo líder catalão, Artur Mas (Junts pel SÍ). O problema é que, apesar de terem conseguido obter a maioria dos assentos no Parlamento, politicamente, os resultados não foram aquilo que Mas esperava, ou seja, um "sim" expressivo aos seus intentos. Efectivamente, a coligação Junts pel Sí e CUP não obteve a maioria dos votos populares, não passando dos 48 por cento, enquanto um pouco mais de 52 por cento dos eleitores se manifestou nas urnas contra essa via secessionista. Na verdade, e foi essa a leitura que quase todos os analistas fizeram na altura, as eleições na Catalunha demonstraram uma maior moderação do seu povo em relação àquilo que muitos e o próprio Mas esperariam.

 

Certo é que a interpretação de Mas e seus correligionários da causa independentista foi diferente e hoje foi votada no Parlamento catalão a tal resolução que abre formalmente caminho ao processo de independência daquele estado. Os nove pontos da proposta obtiveram 72 votos a favor contra 63. Mais uma vez refira-se que a maioria parlamentar não corresponde à maioria de voto e isto é um dado muito importante quando o que está em causa é algo tão fundamental como o destino de uma região autonómica e de um Estado soberano. E, de facto, numa leitura política equilibrada e racional, conclui-se que os resultados eleitorais não foram suficientemente cabais para legitimar politicamente Artur Mas para esta importante demanda. Formalmente, está dentro dos seus plenos direitos ter levado aquela resolução ao Parlamento (embora, é muito provável que seja considerada inconstitucional), mas a questão que se coloca aqui é, sobretudo, política.

 

Seja como for, o processo está neste momento formalmente aberto, sendo agora necessário ver duas coisas: primeiro, como vai reagir a sociedade catalã, sobretudo a maioria que não se identifica com esta via; depois, é preciso perceber como o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, vai reagir, sabendo que poderá contar com o apoio do líder da oposição do PSEO, Pedro Sánchez, e também com o líder do Ciudadanos, Albert Rivera. Para já, Rajoy interpôs um recurso no Tribunal Constitucional. Vai ser também interessante ver o impacto que todas estas movimentações políticas terão nas eleições legislativas espanholas de 20 de Dezembro. Uma coisa é certa, Rivera, catalão, moderado e opositor à via de Mas, surge, cada vez mais, como uma figura de proa no sistema político espanhol.   

 

Publicado por Alexandre Guerra às 13:13
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 29 de Junho de 2015

A percepção do terror

 

Por mais que custe admiti-lo, o Estado Islâmico (ISIS) tem sido muito eficaz na propagação do terror, ou melhor dizendo, na propagação de uma sensação de terror a uma orla cada vez mais distendida e que já se aproxima, perigosamente, da costa do sul da Europa. E o problema é que basta um atentado para que o ISIS coloque em causa um dos bens mais preciosos de países como a Tunísia: a sua relativa estabilidade de segurança. De facto, a Tunísia, no conjunto dos países do Magreb, sempre foi aquele que melhores condições de segurança apresentou, um vector essencial para a dinamização do turismo e que, aliás, cativou ao longo dos últimos anos muitos portugueses. Ali, com um voo de pouco mais de duas horas entre Lisboa e Tunis, já podiam encontrar um "cheirinho" da cultura árabe, boas praias, bons hotéis, costumes relativamente ocidentalizados e...segurança. Até ontem.

 

Essa estabilidade de que a Tunísia gozava até ontem (excepto durante aquele período mais conturbado da fantasiosa "Primavera Árabe" e de um atetntado mais recente) é hoje uma miragem, não necessariamente em termos objectivos e de segurança, mas naquilo que é a percepção das pessoas. Na verdade, a Tunísia será nos próximos dias um dos países mais vigiados e seguros do mundo, mas não é por isso que milhares de turistas cancelaram as suas férias e tentam regressar a casa.  

 

Este ataque na Tunísia deve alertar as consciências dos líderes políticos de Portugal, Espanha e França, cujas suas costas do sul são fortes atractivos turísticos e, nalguns casos, estão a relativos poucos quilómetros do norte de África.  Porque, qualquer estratego do ISIS saberá que um atentando numa praia do Algarve, da Costa do Sol ou da Côte d'Azur é o suficiente para, além das consequências humanas directas, inflingir danos douradouros na imagem de tranquilidade e calmaria que estes locais hoje em dia representam para milhares de turistas. E como foi dito acima, bastava um atentado, mesmo sem vítimas, para que os objectivos do ISIS se revelassem cumpridos. A percepção mudaria...

 

Publicado por Alexandre Guerra às 14:53
link do post | comentar | ver comentários (1)
partilhar
Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

...é sempre o dinheiro

 

Jordi Pujol

 

Ricardo Salgado

 

Nos últimas dias, em Portugal e Espanha duas figuras cimeiras "caíram em desgraça" e, de certa forma, pela mesma razão: dinheiro. No caso português, Ricardo Salgado está neste momento nas mãos da Justiça, por causa do escândalo no GES/BES. Já em Espanha, Jordi Pujol, ex-líder catalão, assumiu que durante 34 anos manteve uma fortuna escondida no estrangeiro sem a declarar.

 

Pujol, tal como Salgado, teve um reinado longo nas suas funções, presidindo à Generalitat durante 23 anos. Mas, ao contrário do banqueiro português, Pujol tinha-se tornado numa referência para milhares de pessoas, sobretudo catalães, que sonham com a independência daquela região. Agora, com 84 anos, Pujol vê todo o seu percurso político manchado pela cobiça e pela ganância e, sobretudo, pelo facto de ter enganado o seu Estado e os seus concidadãos. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:48
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 13 de Maio de 2014

Um alerta muito sério

 

Embora já estejam detidas duas suspeitas (mãe e filha), o Ministério do Interior espanhol não avançou ainda com dados concretos sobre as razões que levaram ao assassinato da presidente do Partido Popular de Léon, Isabel Carrasco, que ontem foi baleada mortalmente com quatro tiros perto de sua casa.  

 

De acordo com as informações mais recentes veiculadas pelas autoridades e pela imprensa espanhola, terá tratado-se de uma "vingança pessoal" da suspeita mais jovem detida, que foi despedida em 2011 da Deputacíon Provincial de Léon, órgão autonómico que era actualmente presidido por Isabel Carrasco. Pelo meio, a suspeita teria também algumas dívidas por pagar àquela entidade.

 

Os contornos começam agora a ser conhecidos, mas o importante nesta trágica história é que vem de Espanha mais um exemplo de como a "rua" se pode tornar violenta contra os decisores políticos ao ponto de fazer derramar o seu próprio sangue. É verdade que Espanha tem um histórial dramático naquilo que se pode chamar de violência contra os representantes do Estado (ao contrário de Portugal, onde a violência extrema se encontra, sobretudo, ao nível dos crimes passionais).

 

Embora Portugal não tenha uma tradição de violência contra os seus governantes e políticos em geral, isso não quer dizer que o desespero se alie à irracionalidade num determinado momento e alguém, no limite da sua resistência moral e psicológica, venha a "importar" alguns destes maus hábitos do País vizinho. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 12:46
link do post | comentar
partilhar
Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

A Espanha perdeu um dos seus maiores embaixadores

 

Paco de Lucía toca o segundo andamento do magistral Concerto de Aranjuez, de Joaquín Rodrigo. Uma interpretação que iria ficar célebre.

A Espanha é um dos países que melhor tem utilizado a sua língua e cultura como factores de poder e de afirmação dos interesses daquele país no mundo. Hoje, ficou sem um dos seus maiores embaixadores. Morreu Paco de Lucía.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 10:57
link do post | comentar
partilhar
Quinta-feira, 11 de Julho de 2013

Em Espanha só dá "caso Bárcenas"

 

De um momento para o outro, a Espanha parece ter "mandado às urtigas" a crise económica, as agências de rating, os mercados, o FMI, a Comissão Europeia... Para os "nuestros hermanos", agora só está a dar o "caso Bárcenas". E o mais irónico desta história toda, é que depois de Mariano Rajoy ter resistido a um desemprego de mais de 26 por cento, evitado um resgate internacional, acalmado os ímpetos secessionistas da Catalunha, o presidente do Governo espanhol arrisca-se a cair por causa de algo que aconteceu há alguns anos. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 23:06
link do post | comentar
partilhar
Terça-feira, 9 de Julho de 2013

O cerco aperta para Mariano Rajoy

 

 

O cerco aperta para Mariano Rajoy, que viu o jornal El Mundo divulgar hoje documentos originais do antigo tesoureiro do PP, Luis Bárcenas, que mostram, alegadamente, pagamentos ilícitos ao chefe do Governo espanhol, em 1997, 1998 e 1998, na altura ministro de José Maria Aznar.

 

Já não se trata apenas de uma campanha do El País, jornal que espoletou este caso em Fevereiro. O caso assume-se cada vez mais problemático para Rajoy, numa altura em que a número dois do PSOE, Elena Valenciano, é taxativa: "Se se demonstrar que Rajoy recebeu enquanto ministro e mentido enquanto presidente [do Governo], não poderá continuar à frente do Governo de Espanha."

 

Publicado por Alexandre Guerra às 18:46
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 10 de Junho de 2013

O socialismo mesmo aqui ao lado

 

Um leitor do Diplomata do Brasil atento ao que se passa no Velho Continente, chamou a atenção para um projecto comunitário de inspiração socialista para combater a crise, mesmo aqui ao lado, na vizinha Espanha. É ver a reportagem da BBC News. 

 

Publicado por Alexandre Guerra às 15:07
link do post | comentar
partilhar

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos