Terça-feira, 18 de Abril de 2017

Não é preciso uma bola de cristal

 

Há quem tenha jeito para antecipar crises na bolsa, choques petrolíferos, oscilações nos mercados, se vai ser rapaz ou rapariga, se o Benfica vai ganhar o campeonato ou até se vai chover ou fazer sol no dia seguinte. Nos Estados Unidos, na localidade de Punxsutawney, na Pensilvânia, até há uma marmota que consegue prever o fim do Inverno e o início da Primavera. Reconheço que não tenho qualquer desses dons premonitórios, mas sempre tive algum jeito para antecipar movimentações ou acontecimentos internacionais. Nunca tive acesso a informação particularmente privilegiada e, muito menos, qualquer inspiração divina ou bola de cristal em casa (embora sempre quisesse ter uma daquelas com raios de electricidade). A receita é simples: alguma informação de background; ver com atenção as notícias e asseverar a credibilidade das suas fontes; ir acompanhando os assuntos ao longo dos anos; e alguma perspicácia na análise. Recordo que foi assim que dei uma manchete ao extinto SEMANÁRIO, com a chegada das forças especiais norte-americanas ao Afeganistão, semanas depois do 11 de Setembro, no mesmo dia em que a imprensa americana dava a notícia. Ou, quando fiz outra manchete com a notícia de um golpe de Estado iminiente na Guiné Bissau (aqui, com a ajuda de algumas fontes), o que veio acontecer meses depois, apesar dos protestos de Bissau àquela notícia.

 

Nos útimas semanas, verificaram-se três acontecimentos cuja sua previsão não era assim tão difícil e aos quais fiz referência ainda antes de acontecerem perante um silêncio quase absoluto sobre os mesmos. A 6 de Março, depois da Coreia do Norte ter testado mais quatro mísseis e de ainda ninguém estar minimamente preocupado com o assunto, escrevia que a "comunidade internacional parece estar bastante permissiva perante esta ameaça, dando muito mais atenção a outros assuntos (importantes, é certo), mas que não têm a gravidade do que se está a passar" naquele país. E mais à frente falava na possibilidade de acções "preemptivas" e "preventivas" contra Pyongyang. Duas semanas depois, o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, admitia que essa hipótese estava em "cima da mesa". A partir daí, o tema rapidamente escalou para o topo da agenda internacional, como se tem constatado. O mesmo aconteceu com o referendo turco, que rebentou com estrondo na Europa, apesar de há muito as "cartas" estarem todas em cima da mesa. E a 28 de Março sublinhava precisamente que o que era "preocupante é que no seio das elites políticas e dos iluminados comentadores que por aí andam, instalou-se um histerismo colectivo em relação a alguns senhores e senhoras 'populistas' que têm ido (e vão) a votos nalguns países europeus, mas sobre o que está em jogo no referendo da Turquia, com muitas perspectivas de ver o 'sim' ganhar, nem uma palavra". Mais, já a 9 de Janeiro dizia que Erdogan ia "caminho da entronização". Por fim, esta Terça-feira, Theresa May anunciou "surpreendentemente" eleições antecipadas no Reino Unido. Ora, mas a surpresa seria assim tanta? A 5 de Setembro do ano passado, em jeito de sugestão à senhora May, propunha isto: "Vislumbra-se uma saída para toda esta questão e que, por um lado, permitiria legitimar popularmente o poder de May e, por outro, abrir uma oportunidade democrática para que o processo [Brexit] pudesse parar. E que via seria essa? Simples, a de eleições antecipadas."

 

O exercício que aqui fiz serve apenas para mostar que os acontecimentos internacionais, regra geral, não surgem do nada, numa espécie de combustão espontânea, para grande espanto de todos. Pelo contrário, há sinais, evidências, um processo, um histórico que nos permite prever ou antecipar determinados cenários ou realidades. Se é verdade que não se exige ao comum dos cidadãos que acompanhe estes assuntos com particular empenho, já os políticos e decisores têm a obrigação de andarem um pouco mais atentos, para depois não serem apanhados de surpresa.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 16:07
link do post | comentar
partilhar
1 comentário:
De Diana Falcão a 23 de Abril de 2017 às 20:23
Dúvidas, perguntas, questões? (...) Não há nem pode haver!

Comentar post

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos