Segunda-feira, 12 de Outubro de 2015

A solução do mal menor à vista de todos

 

Nestas coisas da Política (leia-se a arte de governar) é preciso habilidade, alguma criatividade e até mesmo ousadia, porque, normalmente, as possibilidades de escolha com que um governante (ou aspirante a tal) se depara são (quase que por definição) males menores. Na verdade, raras são as vezes em que o decisor pode optar pela solução (quase) perfeita, já que esta não se enquadra no quadro normal da Política. Aliás, se um qualquer governante tivesse pela frente opções virtuosas óbvias e inequívocas, o seu papel estaria de tal forma facilitado que poderia ser desempenhado por qualquer um, assente num critério meramente técnico. 

 

Como disse um antigo pensador da Antiguidade, se todos fôssemos anjos, então a Política não seria necessária. Mas, a realidade é que vivemos no reino dos homens e cabe ao político governá-los, normalmente, em cenários adversos quando se trata do processo de decisão. E quando todas as vias se esgotam, a decisão do político poderá implicar a escolha de um caminho menos ortodoxo, para lá das regras estabelecidas nos manuais ou, até mesmo, da prática política. 

 

Este pensamento vem a propósito do mais recente quadro pós-eleitoral em Portugal, marcado por um impasse na formação de Governo, no qual muitos políticos, analistas e comentadores têm dissertado, mas sem que qualquer um deles tenha visto o óbvio: é preciso ir à procura da solução do mal menor e ela está à vista de todos, sendo uma mistura de política pura e dura com aritmética básica. 

 

Actualmente, a coligação PSD-CDS tem 104 lugares na Assembleia da República, precisando de 12, e apenas 12, para ter a maioria absoluta no Parlamento. Ou seja, não precisa de mais deputados além desses. Perante a dificuldade que se vislumbra, pelo menos até ao momento, num acordo com o principal partido da oposição (que até ameaça coligar-se com outras forças de esquerda para formar Governo, embora não tenha sido o partido mais votado) , os estrategos da coligação governamental deviam focar-se antes na forma de como arranjar mais 12 deputados para poderem viabilizar os principais diplomas na Assembleia nos próximos quatro anos.

 

Refira-se, aliás, que isso já foi feito em Portugal com um Governo de minoria, liderado na altura por António Guterres, embora na altura tenha apenas precisado de "arranjar" só mais um deputado da Assembleia para aprovar os orçamentos de 2001 e 2002. Neste caso em concreto, Guterres foi à bancada do CDS-PP negociar com o deputado Daniel Campelo que, na defesa dos interesses da sua região (tinha sido eleito pelo círculo de Viana do Castelo), chegou a acordo com o primeiro-ministro. Diga-se que o negócio foi proveitoso para ambos: Guterres conseguiu manter o seu Governo em funções e Campelo tornou-se o exemplo de um deputado e autarca que colocou os interesses da sua região acima das lógicas partidárias. 

 

O "negócio" que Guterres e Campelo fizeram é uma prática bastante comum, por exemplo, no Congresso norte-americano, sendo usual ver-se congressistas democratas a viabilizarem legislação republicana e vice-versa, e isto não implica necessariamente acordos alargados entre as cúpulas dos dois partidos. Tudo depende do que se negoceia. Ora, os homens que estão nos bastidores da coligação não parecem ter esta noção e parecem querer insistir numa solução idílica (coligação com PS), esquecendo-se que na Política às vezes as soluções possíveis são aquelas que resulta do pragmatismo, da dureza e até mesmo do cinismo. 

 

Assim de repente, o Diplomata identifica três ou quatro nomes do PS que, certamente, estariam abertos a viabilizar os orçamentos da coligação na Assembleia da República, por estarem descontentes com o rumo que António Costa estar a dar a todo este processo. Seguramente, que, com jeitinho, seria possível encontrar-se mais alguns "descontentes" na bancada do PS e que estariam dispostos, em nome da Pátria, de sustentar a actual coligação no Governo em vez de virem o seu partido a coligar-se com o PCP ou BE.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 11:50
link do post | comentar
partilhar
7 comentários:
De Fersilva a 13 de Outubro de 2015 às 08:03
Quem votou no PS, como eu, não quer a atual coligação no poder.
Disso podem ter a certeza.
Qualquer solução para correr com eles é válida.
Se o Costa fizer bem as coisas, e já demonstrou que as sabe fazer, teremos um governo de esquerda, que desagrada à direita que arruinou Portugal e os Portugueses nos últimos 4 anos.
Ninguém duvide que a dita "extrema esquerda" apelidada assim pela direita e pelos boys que vêm os seus tachos em risco, bem controlada pelo PS, respeitará a constituição, o que o passado governo não fez e contribuirá para o renascimento do País e se tentará acabar com a crescente desigualdade.
De Makiavel a 13 de Outubro de 2015 às 01:19
Um bocado básica essa sua linha de argumentação, não acha?
De anónima a 12 de Outubro de 2015 às 23:05
António Costa é um habilidoso que não olha a meios para atingir os seus fins !
Golpe de estado??!!
De Leunam a 12 de Outubro de 2015 às 21:38
Tanta burrice em tão poucas palavras.
A culpa é de La Fontaine.
De José a 12 de Outubro de 2015 às 15:41
E afinal, quando o tacho parecia correr de feição, eis a Coligação na oposição!...
De Anónimo a 12 de Outubro de 2015 às 15:12
Pois, isso seria tudo muito bonito não fosse o facto de (todos) os partidos exigirem disciplina de voto aos seus deputados, especialmente nas votações mais importantes!
Alguns deputados até poderiam votar a primeira vez contra o partido, mas parece-me que não o fariam uma segunda vez! Será?
De Anónimo a 12 de Outubro de 2015 às 16:21
Podem... porque não respeitando a disciplina de voto, os partidos podem expulsar um deputado do partido mas não da assembleia!

Comentar post

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos