Terça-feira, 31 de Março de 2009

Vinte anos depois da libertação, Lech Walesa ainda é o herói dos polacos

 

Foto AP

 

Cansado de se defender das acusações, insinuando que Lech Walesa esteve envolvido com a KGB durante os anos 70, o histórico líder do movimento Solidariedade ameaçou abandonar a Polónia e devolver o seu Prémio Nobel da Paz, depois de ter sido publicado um segundo livro reiterando a tese de ter sido um espião comunista.

 

O aviso foi feito através do seu blogue pessoal e é a reacção à nova biografia sobre Walesa à venda nas livrarias esta semana, editada pelo Institute of National Remembrance (IPN), a entidade estatal que investiga os crimes na Polónia durante o passado comunista.

 

Embora já tivesse sido ilibado de qualquer suspeita de espionagem para os comunistas por um tribunal especial em 2000, as acusações continuam. Na altura, os juízes concluíram que Walesa teria sido incriminado pelos serviços secretos polacos (SB) a mando de Moscovo durante os anos 80, ao forjarem documentos para que aquele sindicalista não recebesse o prémio Nobel da Paz em 1983.

 

Desta forma, o regime comunista tentava descredibilizar Walesa junto do Ocidente e, assim, enfraquecer a sua influência na Polónia.

 

Convém relembrar que Walesa iniciou um movimento sindical muito poderoso em 1980, com uma greve geral nos históricos Estaleiros de Gdansk, e que acabariam por espoletar um processo que terminaria no alucinante ano de 1989, com a libertação da Polónia do jugo soviético.

 

A sua influência foi de tal maneira avassaladora na sociedade polaca que Walesa foi eleito em 1990 Presidente do país, o primeiro do período pós-Guerra Fria. Desde então que a sua reputação e prestígio têm-se mantido praticamente incólumes.

 

E apesar das críticas que têm surgido, a maioria dos polacos, mesmo admitindo que ele, eventualmente, tenha cometido alguns erros enquanto era mais novo, continua a considerar Walesa um herói que lutou pela liberdade da Polónia.

 

Walesa pede agora às autoridades polacas que tomem medidas contra aqueles que estão a difamar a sua imagem e exorta os tribunais a protegê-lo daquilo que considera ser "ataques impunes". O próprio primeiro-ministro Donald Tusk prontificou-se a defender Walesa e referiu que os livros têm motivações políticas.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 00:52
link do post | comentar
partilhar
Segunda-feira, 23 de Março de 2009

A União Europeia mantém o Nabucco como projecto prioritário

 

Na sequência do texto aqui escrito na Sexta-feira sobre o Nabucco, convém fazer o respectivo "follow up" para informar os leitores do Diplomata que aquele gasoduto recebeu luz verde do Conselho Europeu, ao manter-se na lista dos projectos a serem financiados pelos cofres comunitários.

 

Deste modo, o projecto deverá receber 200 milhões de euros na primeira fase de construção, uma notícia bem recebida por países como a Polónia ou a República Checa, muito dependentes do gás natural vindo da Rússia através da Ucrância.

 

Entretanto, a Reuters publicou um excelente artigo sobre todos os projectos de gasodutos no leste europeu.

 

Publicado por Alexandre Guerra às 21:50
link do post | comentar
partilhar

About

O Diplomata é um blogue individual e foi criado em Fevereiro de 2007, mantendo, desde então, uma actividade regular na blogosfera.

Facebook

O Diplomata

Promote Your Page Too

Rubricas

Momentos com história; Leituras; Registos; Pontos de interesse; O despacho...; Apontamentos históricos; Dispatches from...

subscrever feeds

Contacto

maladiplomatica@hotmail.com

tags

todas as tags

pesquisa

arquivos